AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Lista de mortos será entregue pela Secretaria ao MPE, afirma OAB

A OAB SP informou, no final da tarde desta terça-feira, que a lista de mortos resultantes das ações de policiais e criminosos possivelmente ligados ao PCC será entregue pela Secretaria de Segurança Pública de São Paulo ao Ministério Público Estadual dentro do prazo estipulado de 72 horas.O presidente da OAB SP, Luiz Flávio Borges D´Urso, e o coordenador da Comissão de Direitos Humanos da OAB SP, Fábio Romeu Canton Filho, participaram nesta terça-feira de reunião na Secretaria da Segurança Pública, com o secretário, Saulo de Castro Abreu Filho, e o secretário-adjunto, Marcelo Martins de Oliveira. O encontro também incluiu a Ouvidoria das Polícias, o Ilanud e o Instituto Sou da Paz.Na coletiva, o comandante a PM, Elizeu Éclair Teixeira Borges, apresentou um balanço de como vem sendo realizado o controle e a gestão dos presos, BOs e mortes. Segundo ele, há 79 mortos, 62 decorrente da reação imediata da Polícia e 17 em ações preventivas. Foi separado do total de mortos 31 ocorrências consideradas normais. Das 62 vítimas, 45 possuem antecedentes e vinculação com organização criminosa e 17 estão sem identificação. Há também 135 presos, 96 em reação imediata da Polícia e 39 em ações preventivas.D´Urso lembrou, no site da OAB, que na última sexta-feira solicitou ao secretário de segurança a lista dos civis mortos e localização dos corpos. Contudo, na reunião desta terça o secretário apontou as razões pelas quais não deveria divulgar a lista: a investigação e cautela na proteção das família dos mortos."A OAB SP entende que a divulgação da lista seria útil ao Estado e de interesse da cidadania". Contudo, diante da medida do Ministério Público Estadual, que deu prazo de 72 horas para receber a lista de mortos, o secretário afirmou que entregará a lista no prazo de três dias. Caberá ao MP a decisão de divulgar ou não, segundo o site da entidade."A OAB SP pretende fazer gestões junto ao MP para que essa divulgação aconteça, e a Comissão de Direitos Humanos acompanhará todos as investigações dela decorrentes", afirmou D´Urso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.