Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

Literatura de cordel e acervo do Bispo do Rosário viram patrimônio cultural do Brasil

Conselho federal decidiu pelo tombamento de 805 peças criadas pelo artista sergipano; literatura de cordel será registrada como patrimônio imaterial

Priscila Mengue, O Estado de S.Paulo

19 Setembro 2018 | 15h43
Atualizado 20 Setembro 2018 | 14h58

SÃO PAULO - Foi aprovado nesta quarta-feira, 19, o registro da literatura de cordel como patrimônio cultural imaterial do Brasil. A decisão foi tomada pelo Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural, que determinou também o tombamento nacional do Acervo Arthur Bispo do Rosário.

O acervo do artista sergipano Arthur Bispo do Rosário é formado por 805 peças. Entre as obras, estão estandartes, indumentárias, vitrines, fichários, móveis e objetos, todos feitos com materiais como vidro, madeira, plástico, tecidos, gesso e sucata, dentre outros. 

A literatura de cordel começou nas regiões norte e nordeste, mas foi disseminada por todo o País por migrantes. Segundo o Ministério da Cultura (Minc), é uma expressão cultural que “revela o imaginário coletivo, a memória social e o ponto de vista dos poetas” sobre “acontecimentos vividos ou imaginados”.

"É um gênero literário, veículo de comunicação, ofício e meio de sobrevivência para inúmeros cidadãos brasileiros: poetas, declamadores, editores, ilustradores (desenhistas, artistas plásticos, xilogravadores) e folheteiros (como são conhecidos os vendedores de livros)", diz texto do ministério.

Hoje, o cordel é mais forte nos Estados da Paraíba, Pernambuco, Ceará, Maranhão, Pará, Rio Grande do Norte, Alagoas, Sergipe, Bahia, Minas Gerais, Distrito Federal, Rio de Janeiro e São Paulo.


Nesta quinta-feira, 20, o conselho avaliará, ainda, a inclusão da Procissão do Senhor dos Passos, de Florianópolis (SC), o Sistema Agrícola Tradicional das Comunidades Quilombolas do Vale do Ribeira (SP), os terreiros de candomblé Ilê Obá Ogunté Sítio Pai Adão, em Recife (PE), e a Tumba Junsara, em Salvador (BA).

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.