Litoral à espera de férias sem crise

Expectativa é que novos turistas se juntem aos veranistas tradicionais para lotar praias de São Paulo

, O Estadao de S.Paulo

27 de dezembro de 2008 | 00h00

Está aberta a temporada das férias 2009, embora o sol, até agora, tenha deixado a desejar. No verão da crise, o litoral brasileiro vai estar em alta. Com o câmbio volátil e o receio de uma freada na economia brasileira no ano que vem, que deve conter o crescimento da classe média, agentes de viagens esperam um aumento no turismo interno. De olho nessa realidade, as prefeituras se preparam para receber a leva de novos turistas, além dos veranistas que já freqüentam as praias. Só em Caraguatatuba, a porta de entrada do litoral norte, são esperados 1,8 milhão de turistas, 10% a mais que na última temporada.Todas as cidades programam queima de fogos e a maioria terá shows na festa de réveillon. Boa opção para quem prefere o agito. Mas o litoral norte paulista, com suas quase 200 praias, é um destino ainda a ser descoberto. A poucos quilômetros das praias mais conhecidas e badaladas, há inúmeras ilhas, cachoeiras, baías, rios e pontos de mergulho pouco explorados. Em Bertioga, por exemplo, a dica é, se São Pedro deixar, curtir o sol se pondo com a Serra do Mar ao fundo. Imperdível.Em São Sebastião, só se chega à pouco conhecida Praia Brava por uma trilha de 1,5 quilômetro. Desbravada por surfistas e mochileiros, ela começa a ganhar novos públicos com a criação de uma trilha perfumada por plantações de lírios, begônias e manacás-da-serra. Cinco monitores estarão à disposição dos veranistas, das 8 às 18 horas, para levá-los até a areia. Ela fica colada à badalada Praia de Boiçucanga.Quase na divisa entre Caraguatatuba e Ubatuba, há um passeio que vale história. A Praia do Simão, também conhecida como Brava do Frade, fica num quilombo - terra de descendentes de escravos. Por trilha, chega-se à vizinha Praia da Lagoa, passando por ruínas do Brasil Império.E não desista de viajar se o problema for a crise. Com pouco dinheiro no bolso é possível, sim, passar uma semana na praia. Para provar, o Estado selecionou cinco locais para curtir as férias de janeiro e fevereiro gastando até R$ 500 e testou um deles, o Pouso da Cajaíba. O conjunto de praias paradisíacas fica a 2 horas e meia de barco de Paraty. A energia é solar, tem água à vontade, os restaurantes são especializados em pratos-feitos e dinheiro por lá não compra a felicidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.