Litoral oferece até novo réveillon

Entre as novidades de São Sebastião e Ilhabela, surfe light e balada no mar

Valéria França, São Sebastião, O Estadao de S.Paulo

18 de janeiro de 2009 | 00h00

Há muitas novidades para quem vai pegar a estrada rumo ao litoral norte de São Paulo nesta temporada. Os esportistas poderão curtir uma nova modalidade que começa a pegar em Baleia e Camburi, praias de São Sebastião. De longe, parece uma prancha adaptada para travessias, mas se trata do stand up, um tipo de surfe mais tranquilo, pois o praticante conta com a ajuda de um remo e consegue se equilibrar mais facilmente. Já tem até criança praticando, mas é um esporte de gente grande e tem, sim, sua porção de emoção, dependendo de como e quem está em cima da prancha. Matias Gras, de 16 anos, chama atenção em Camburi ao disputar de remo e pranchão espaço com surfistas convencionais na água. "Além de ter outra visão, uma vez que fico a maior parte do tempo em pé na prancha, ainda dá para pegar a onda bem no começo, quando ela está se formando. A única coisa chata é que o remo tira um pouco da sua mobilidade, mas é só."A partir de terça-feira, Ilhabela também oferecerá uma programação esportiva intensa na Praia do Perequê. Ali, haverá vôlei de praia, futebol e até mesmo rúgbi. Basta chegar lá e se inscrever. É gratuito. Durante a temporada, as equipes que quiserem poderão participar de competições.Os mais festeiros também vão curtir Ilhabela, que lança balada noturna em alto-mar, descontos em botecos no fim da tarde e tem novos restaurantes. Localizado numa construção de linhas coloniais, na esquina das Ruas São Benedito - mais conhecida como Rua do Meio - e Doutor Arnaldo, o Botequim da Vila oferece não só um mesão comunitário onde os clientes ficam de frente uns para os outros, ajudando na integração, como também lançou um réveillon fora de época. Após as 23 horas, hostess do bar convidam clientes para um passeio de escuna. A ideia é virar a madrugada no mar, com direito até a fogos de artifício. "Nunca tinha passeado de escuna à noite, só de dia e não havia gostado", diz o paulistano Daniel Marcolino, de 40 anos. "Durante o dia é meio sem graça. As pessoas não se entrosam. Mas no ano-novo fora de época é outra coisa." Marcolino sambou, puxou o trenzinho carnavalesco e até ajudou a estourar os fogos. Não dá para saber com antecedência o perfil do público que estará no barco. A única garantia é de que será uma turma animada, que já tomou alguns drinques e quer se divertir.As delícias de verão não param por aí. Massagistas atendendo nas areias da praia, bikers circulando na estrada e transatlânticos aportando na costa são algumas das cenas comuns desta temporada que traduzem a energia da estação. MODA: Quer começar uma nova atividade? Vá para a Praia da Baleia, onde a tenda de surfe Billabong nesta temporada dá aulas de stand up e aluga equipamentos. "Trouxe a modalidade do Havaí", diz José Paulo Ferreira, de 40 anos, ex-surfista e professor da escola. "Lá é um esporte que virou febre." Apesar das semelhanças, as diferenças entre o stand up e o surfe começam na prancha, mais larga, comprida e espessa. Enquanto a de stand up chega a 3,6m, a de surfe tem 2,4m, no máximo.À MODA TAILANDESA: Há uma semana, Camburi ganhou o Thai Tai, primeiro restaurante de comida étnica da região. E com ele um conceito muito explorado na capital: o mix de loja com restaurante. A casa abriu as portas num espaço anexo do Balik Papan, famosa pelas bijuterias de prata e artigos da Índia. Montado pelo chef Daniel Amador, do Mesa Thai, de São Paulo, tem apenas 12 mesas, decoração asiática e cardápio enxuto. Entre os destaques do cardápio, o tung tong - trouxinhas de camarão com abóbora e folha de bambu - sai por R$ 18 (seis unidades).SUSHIS: A nova opção de jantar em Ilhabela é O Tao, restaurante japonês que abriu nesta temporada com um deque de frente para a praça central. A dica é chegar antes de anoitecer, pela vista privilegiada do pôr-do-sol. Ali, o sol "morre" na água. O destaque da casa é o sushiman santista Lauro Campos de Oliveira, de 38 anos, que antes trabalhava no badalado Yatch Clube de Ilhabela. O forte da casa são os combinados. A opção mais simples, para uma pessoa, sai por R$ 34,50. SEGUNDO RÉVEILLON: Toda quinta, sexta e sábado, às 23h30, uma escuna parte do píer de Ilhabela, na Vila. Liderado por um saxofonista, um grupo de baladeiros sai do Botequim da Vila, inaugurado há dois meses, e embarca num passeio de uma hora, com direito a contagem regressiva, fogos e carnaval. "Se o ano ainda não deu muito certo, é a chance de começar de novo", brinca o dono, Ricardo Moronho, de 48 anos. O passeio é gratuito para clientes e custa R$ 25 para não frequentadores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.