Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Livro resgata episódio do beijo proibido

Ato contra decisão de juiz de Sorocaba, em 1981, criticou regime militar

José Maria Tomazela, SOROCABA, O Estadao de S.Paulo

15 de abril de 2009 | 00h00

Em 1981, na fase final do regime militar, um juiz de Sorocaba baixou portaria para proibir "beijos cinematográficos" em lugares públicos. Grupos estudantis organizaram então a "Noite do Beijo", marcada pelo excesso dos manifestantes, repressão da Polícia Militar e pancadaria. O estudante secundarista Carlos Batistella, um repórter iniciante e hoje diretor de Arte em uma editora na capital, se envolveu no episódio e, passados 28 anos, resgata a história em livro, a ser lançado hoje em Sorocaba.Tudo começou quando o juiz substituto da Vara de Menores Manuel Moralles proibiu "beijos cinematográficos, em que as mucosas labiais se unem em expansão insofismável de sensualidade". Vetou também "apalpadelas, apertões, abraços indecorosos, beijos prolongados ou qualquer ato libidinoso". Jornais locais e o Estado deram destaque à proibição. Sorocaba não oferecia opções para os namorados - motéis eram proibidos - e a juventude se rebelou. Batistella acompanhou os preparativos do protesto. Ele lembra que a manifestação, com 300 pessoas, deveria ser pacífica. Apareceram quase 5 mil, na Praça Fernando Prestes, no centro. Faixas incentivavam o beijo "à vontade". O grito de ordem era "mais beijo, mais pão, abaixo a repressão!" O alvo passou a ser o regime militar. A "Noite do Beijo" fugiu do controle e manifestantes provocaram a PM. Houve reação e prisões. Líderes foram enquadrados nos artigos da Lei de Segurança Nacional, como os usados contra o então sindicalistas Luiz Inácio Lula da Silva.Batistella ficou marcado e chegou a ser perseguido. Mudou-se para São Paulo. A história é romanceada. "Não existe a pretensão de estabelecer uma verdade histórica. Ao contrário, a viagem da leitura é justamente oferecer dúvidas, em que cada um faz a busca das suas razões", diz Batistella. A Noite do Beijo tem 128 páginas e foi editado pela Editora do Autor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.