Lixo eleitoral do 1º turno ainda polui Sorocaba

Cartazes, faixas e banners usados pelos candidatos a deputado e senador ainda poluem asruas de Sorocaba, interior do Estado de São Paulo, três semanas após as eleições do primeiro turno. Uma portaria baixada pelo juizeleitoral César Luiz de Souza Pereira determinou a retirada do material em 30 dias, sob pena de multa e processo por desobediência.O prazo ainda não venceu, mas poucos candidatoscompletaram a retirada da propaganda, espalhada por toda a cidade. O trabalho pode demorar semanas. Os partidos chegaram a propor um mutirão, logo após as eleições, para a coleta conjunta do lixo eleitoral, mas a adesão foi pequena.Parte das 110 toneladas de material eleitoral usado na campanha permanece afixada em postes, muros, fachadas e pontes. O juiz deve fixar nos próximos dias um prazo para a retirada da propaganda dos candidatos à presidência.Os partidos serão autuados se for constatado que, transcorrido o período determinado, a propaganda permanece nas ruas. O prazo começa a ser contado a partir da intimação do responsável pelo partido na cidade.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.