Lixo em decomposição causou deslizamento em Niterói, diz governo

Secretária Ambiente aponta explosão do gás metano em decomposição de antigo lixão como causa da tragédia no Morro do Bumba; pelo menos dez morreram e dezenas estão desaparecidos

estadão.com.br

07 de abril de 2010 | 22h30

 

 

NITERÓI - A secretária de Estado do Ambiente, Marilene Ramos, disse nesta quinta-feira, 8, que a provável causa do deslizamento no Morro do Bumba, em Viçoso Jardim, Niterói, foi uma explosão do gás metano em decomposição do antigo lixão, situado no alto do local. Dezenas de pessoas continuam desaparecidas na região,, onde um deslizamento de terra soterrou mais de 50 casas na noite de quarta.

 

Veja também:

linkGoverno federal libera R$ 200 mi para o Rio

linkDistribuição de energia fica comprometida

mais imagens Imagens sobre o drama da chuva

especial As áreas afetadas pela tragédia

blog Dava para evitar a tragédia?

 

Nesta tarde, os bombeiros retiraram mais três corpos dos escombros do Morro do Bumba. Já são dez o número de mortos no local. Cerca de 300 homens, entre integrantes da Força Nacional de Segurança, policiais civis, bombeiros e policiais militares trabalham nas operações de resgate. Três máquinas retro-escavadeiras vasculham, no momento, o amontoado de escombros à procura de sobreviventes.

 

Mortos no Estado

 

Desde terça-feira, 170 pessoas já morreram em decorrência das chuvas, segundo o Corpo de Bombeiros. Somente em Niterói são 98 vítimas; na capital, 52; em São Gonçalo, 16. Magé, Nilópolis, Paracambi e Petrópolis registraram um morto cada.

 

Segundo informações repassadas pelo Corpo de Bombeiros e pelos municípios, o número de feridos chegou a 403, de acordo com o boletim divulgado pouco antes das 10h da manhã. Cerca de 7.250 edificações foram danificadas por deslizamentos e vendavais, e outras 413 destruídas.

 

Desabrigados

 

De acordo com a Defesa Civil do Estado, 3.262 pessoas estão desabrigadas (tiveram suas casas destruídas) e 11.439 desalojadas (tiveram de deixar suas casas).

 

Garis da Companhia Municipal de Limpeza Urbana do Rio (Comlurb) recolheram 5760 toneladas de lama e detritos. Os reboques da prefeitura socorreram 202 veículos abandonados nas ruas durante o temporal. Na quarta, o Ministério da Saúde destinou ao Rio mais de 5 toneladas de medicamentos e insumos para os desabrigados. São ao todo 52 kits, suficientes para atender 26 mil pessoas por um período de três meses. Trinta e cinco bombeiros da Força Nacional desembarcaram no Estado para ajudar nos resgates.

 

(Reportagem de Bruno Boghossian, Talita Figueiredo, Pedro Dantas, Ricardo Valota e Solange Spigliatti)

 

Texto atualizado às 16h53.

  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.