Lixo inglês rende multa de R$ 233 mil a duas empresas

O Ibama aplicou ontem multas de R$ 233 mil para a importadora Bes Assessoria e Comércio Exterior Ltda. e a multinacional Mediterranean Shipping Company (MSC) em punição pelo desembarque de 25 contêineres com 680 toneladas de lixo da Inglaterra, encontrados no Porto de Santos semana passada. Na sexta-feira, a empresa Alfatech recorreu da multa de R$ 408 mil que recebeu do Ibama por causa dos 48 contêineres com lixo descobertos no Rio Grande do Sul no final de junho. Contratada para defender a Bes e a Alfatech, ambas empresas de Bento Gonçalves (RS), a advogada Silvana Giacomini Werner alega que a Alfatech foi prejudicada. "Ela não importou nenhum produto proibido. Importou e pagou por uma mercadoria (plástico para reciclagem) que não recebeu. No lugar veio lixo." Sobre a Bes, a advogada afirmou que a empresa ainda não foi notificada, mas assegurou que a Bes nunca importou lixo. "Eles importaram aparas de plástico para reciclagem." Ainda não há prazo para a devolução do lixo. De acordo com o Itamaraty, nem o governo britânico nem o Secretariado da Convenção de Basileia procuraram o País para tratar do assunto. Brasil e Reino Unido são signatários da convenção que, em 1993, proibiu o transporte internacional de lixo. Para tomar as providências diplomáticas, o Itamaraty aguarda que o Ibama conclua um laudo sobre os 89 contêineres com o lixo inglês que permanecem no País (41 no Porto de Santos, 40 no Porto de Rio Grande e 8 na estação aduaneira de Caxias do Sul). O Ibama havia aplicado outra multa de R$ 155 mil ao constatar 16 contêineres no Porto de Santos na semana retrasada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.