Lixo que veio da Inglaterra começa a ser devolvido na quinta

Navio que vai levar os resíduos de volta está em Buenos Aires e só deve chegar ao Brasil no fim da semana

Agência Brasil,

28 Julho 2009 | 10h16

Os dez primeiros contêineres com o lixo que veio da Inglaterra só devem deixar o Brasil entre quinta, dia 30, e sexta-feira, dia 31. O chefe do escritório do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) em Rio Grande (RS), Sandro Klippel, informou que o navio está no Porto de Buenos Aires, Argentina, e só deve chegar no fim da semana.

 

 

Ministro do Meio Ambiente, foi até o Porto de Santos ver a situação do lixo. Foto: Ricardo Saibun/AE

 

"O embarque não ocorreu hoje (segunda-feira) por causa do navio, que não chegou. Ele deve chegar na quinta-feira ou sexta-feira", disse Klippel. Ele informou também que há mais 30 contêineres que ainda não tem previsão de quando voltam a Inglaterra.

 

O lixo chegou ao Brasil entre fevereiro e maio deste ano nos portos de Santos (SP) e de Rio Grande. Foram enviadas ao País mais de mil toneladas de lixo. O Ibama interceptou a carga no início deste mês e o Ministério das Relações Exteriores pediu que a delegação permanente do Brasil em Genebra, Suíça, fizesse uma denúncia na Secretaria da Convenção de Basileia, que trata do controle de resíduos perigosos e do seu depósito.

 

A empresa importadora havia informado que a carga era de polímeros de etileno e resíduos plásticos. Contudo, a carga era composta de fraldas usadas, pilhas, seringas, lixo doméstico, preservativos, entre outros. A empresa que importou o lixo foi multada pelo Ibama.

 

Pela Convenção de Basileia, qualquer movimento entre fronteiras de resíduos perigosos em que o material não esteja em conformidade com os documentos poderá ser considerado tráfico ilícito. A convenção diz ainda que os resíduos serão devolvidos ao país de onde ele foi exportado, que não poderá se negar a receber os resíduos de volta.

Mais conteúdo sobre:
lixo Inglaterra

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.