Lobista pagou despesas de Gaguim em São Paulo

No cartão de crédito, Maurício Manduca, o lobista da quadrilha, pagou despesas do governador Carlos Gaguim, que, em março, veio a São Paulo para assistir à corrida de Fórmula Indy. Segundo a investigação, Gaguim hospedou-se no Hotel Unique, no Ibirapuera - diária de mais de R$ 800 -, onde recebeu a visita de uma garota de programa, escolhida e paga por Manduca.

Fausto Macedo, Bruno Tavares, O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2010 | 00h00

Telefonema gravado em 13 de março, às 22h26, revela um Manduca todo prosa, vangloriando-se de ter recebido a mesma moça antes de encaminhá-la ao apartamento de Gaguim.

O lobista incumbiu-se também de desembolsar R$ 16.250 para cobrir gastos com locação de um helicóptero que ficou à disposição do governador. Vários secretários de Gaguim o acompanharam, mas se hospedaram em outro hotel, o Caesar Park. Segundo o relatório, o governador não quis ficar com sua equipe. Manduca também pagou os gastos do secretariado.

O camarote da Fórmula Indy adquirido por Manduca para abrigar a comitiva tinha capacidade para 11 pessoas. Custou R$ 19,8 mil. A promotoria obteve cópia da fatura do cartão de crédito do lobista. O documento indica que havia uma reserva no Unique para o hóspede Carlos Gaguim entre os dias 13 e 15 de março e outra para Manduca, no mesmo período.

O grampo telefônico mostra Manduca contratando helicóptero para Gaguim, prevendo escala em Campinas, onde o lobista reside. "Prepare a casa para recepcionar o governador", disse o lobista para a mulher.

Contratação. O governador teria aproveitado sua vinda a São Paulo para tratar dos negócios do Grupo Cepera no Tocantins. A interceptação pegou uma conferência por telefone entre Manduca, Cepera e o governador em 14 de março, às 10h04. Manduca diz a Cepera, em diálogo gravado, que na reunião com Gaguim teria conseguido fechar a contratação de mais três mil funcionários da O.O. Lima Limpadora. O Ministério Público sustenta que a ata de registro de preços que resultou no contrato com a empresa era dirigida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.