"Lombrigão" diz que juiz tentou reagir a assalto

Preso no domingo de Páscoa, o pistoleiro Odessi Martins da Silva Júnior, o Lombrigão, assassino confesso do juiz do Espírito Santo Alexandre Martins de Castro Filho, disse nesta quinta-feira, no Fórum de Vila Velha, que o magistrado morreu porque reagiu a uma tentativa de assalto. A versão é a mesma dada à polícia depois da prisão, mas contradiz o primeiro depoimento de Lombrigão, segundo o qual o assassinato foi encomendado.Antes de depor, Lombrigão conversou com jornalistas e disse que pretendia roubar o carro de Castro Filho. Ele está preso em local não divulgado por razão de segurança, já que foi descoberto um plano para assassiná-lo na cadeia.Castro Filho, juiz da 5ª Vara de Execuções Penais, foi executado no dia 24 de março, quando chegava a uma academia de ginástica em Vila Velha, região metropolitana de Vitória. Ele era integrante do grupo de repressão ao crime organizado no Espírito Santo e vinha recebendo ameaças havia mais de um ano.A polícia suspeita que o mandante do assassinato seja o coronel da reserva da Polícia Militar Walter Gomes Ferreira, cuja transferência para o presídio do Acre foi decidida pelo magistrado.O pai do magistrado, o advogado Alexandre Martins de Castro, que participou hoje da missa pelos 30 dias da morte do filho, afirmou que Lombrigão ?é apenas um verme? e que a identificação e prisão dos mandantes devem prosseguir.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.