Londres estréia pedágio polêmico no centro da cidade

Nesta segunda-feira, milhares de motoristas pagaram 5 libras (aproximadamente R$ 30,00) para circular no centro de Londres. A entrada em vigor do projeto para aliviar o trânsito trouxe menos problemas que o esperado pelos críticos.Houve reclamações e pequenas manifestações nos arredores de Londres, mas o trânsito esteve mais tranqüilo do que o normal e não pareceu haver congestionamento no entorno das áreas restritas, como esperavam os opositores do plano do prefeito Ken Livingstone.Motoristas e prefeitura informaram que poucos formaram filas no contorno da área de cobrança - um perímetro de 21 quilômetros quadrados - para evitar a tarifa. Um feriado escolar foi parcialmente responsável pela tranqüilidade, mas parece ter havido menos carros em circulação do que em outros feriados escolares."Lugares que você imaginava que estariam congestionados estavam vazios", disse o taxista Paul Butler. Ele disse apreciar a ambiciosa tentativa de Livingstone de combater os males do trânsito, mas acha que o verdadeiro problema é a rede de transporte público, que está se esfacelando.Livingstone acha que certamente haverá percalços no sistema de cobrança de pedágio, mas previu um decréscimo perceptível nos congestionamentos em torno das áreas restritas em semanas. "Londres é agora uma das grandes cidades que está mais perto de uma paralisação geral no trânsito", disse. "Precisamos tomar providências agora. Encontramos uma forma de reduzir o uso do automóvel."A empresa responsável pelo metrô de Londres informou não ter registrado nenhum aumento perceptível no número de passageiros. O órgão que administra o sistema de ônibus vem intensificando o serviço nos últimos seis meses, mas também não informou nenhum pico nesta segunda.Os motoristas de carros particulares podem pagar a taxa diária nos correios, lojas, supermercados, ou por telefone, internet ou até enviando uma mensagem de texto pelo celular.Uma rede de 800 câmeras conectadas a um banco de computadores monitora a região no período das 7 horas às 18h30, fotografando as placas dos automóveis nos dias de semana e comparando-as com as informações sobre o pagamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.