Longa espera e problemas

Em 27 de março usei o direito à portabilidade de minha linha telefônica, que eu tinha há mais de 20 anos, para a Embratel. Para isso, tive de comprar um aparelho de telefone da Nokia, de R$ 129. Esperei sete dias para o aparelho chegar, período em que a linha foi transferida. Mas ele chegou com defeito.Entrei em contato com a empresa que prometeu a troca para 21 de abril. Aceitei a contragosto porque ficaria quase 20 dias sem uma linha de telefone! Porém, a troca não foi feita. Liguei de novo e o atendente me disse que nada estava registrado e que eu teria de esperar até o dia 8 de maio. Pensei em cancelar a portabilidade, mas fui informado de que perderia a compra do aparelho e demoraria mais oito dias para a transferência. Resolvi aguardar. No dia marcado, de novo, não foi efetuada a troca. Telefonei várias vezes para a Embratel e a cada novo atendimento eu recebia uma informação diferente: "não foi processado" ou "está a caminho". Remarcaram a troca para o dia 20 de maio. O fato é que a minha família está há dois meses sem ter um serviço básico e essencial porque a empresa não respeita o consumidor, nem as leis de telefonia. Não sei mais a quem recorrer, pois nem uma reclamação oficial à Anatel consegui fazer!PAULO HENRIQUE C. CANTELLISão PauloA Assessoria de Imprensa do Atendimento Livre informa que, após visita técnica, a empresa constatou insuficiência de sinal no atual endereço de instalação do leitor sr. Cantelli. Quando isso ocorre, o cliente pode solicitar o cancelamento da linha ou permanecer com o serviço ativo. Informa que a Embratel entrou em contato com ele, que solicitou o cancelamento do serviço.Serra da CantareiraAlém da péssima qualidade dos serviços executados na estrada que dá acesso à Serra da Cantareira, citados pelo sr. Paulo R. Kherlakian (No Caminho da serra, do dia 18, sobre a péssima qualidade dos serviços executados pela Subprefeitura Tremembé/Jaçanã na estrada que liga a Avenida José Ermírio de Moraes até a divisa de Mairiporã, no alto da serra), não houve nenhuma preocupação ecológica, nem com a segurança. Buracos que deságuam na mata são bueiros improvisados e, certamente, haverá erosão nos pontos em que esses escoadouros foram instalados, o que poderá, a médio prazo, danificar o já péssimo calçamento. Algumas árvores foram cortadas ao acaso e outras foram deixadas com as raízes expostas. Algumas encostas foram escavadas por tratores e correm o risco de desmoronar, obstruindo a via. Não foi instalada nenhuma sinalização e abandonaram no chão as placas que foram retiradas para a execução da obra. Em alguns trechos, parece que trafegamos em um rali! Tudo isso ocorre em uma região sujeita à neblina forte! Se a subprefeitura pagou por esse serviço, a empreiteira deveria devolver o dinheiro pago. Se o pagamento ainda não foi feito, ele deveria ser retido até que um serviço digno seja realizado.FLÁVIO L. S. BARROSMairiporãCampos do JordãoA Estância Turística de Campos do Jordão em São Paulo comemora o bom desempenho no Corpus Christi. O secretário de Turismo prevê recorde de turismo até final da temporada de inverno. Os hotéis e pousadas já estão com 60% das reservas confirmadas para a primeira quinzena de julho. Os donos de estacionamento também comemoram já que o estacionamento custa cerca de R$ 50. E, para parar na rua, temos de pagar R$ 25 para os flanelinhas! JATIACY FRANCISCO DA SILVAGuarulhosA Assessoria de Imprensa da Prefeitura Municipal da Estância de Campos do Jordão esclarece que a prefeitura irá averiguar a denúncia e tomar as medidas necessárias para que o problema não volte a ocorrer. "Podemos afirmar que essa prática não possui a liberação desta prefeitura", acrescenta. Pessoas altas no metrôO Metrô se preocupa com os obesos mórbidos e os deficientes em geral, mas não com as pessoas altas. Seus novos trens são baixos demais e, quem é alto tem de andar encurvado para não bater no teto e em toda a parafernália de canos!DENIS SCHAEFERSão PauloFábio Schivartche, coordenador de imprensa da Secretaria de Estado dos Transportes Metropolitanos, diz que o Metrô esclarece que o interior dos novos trens segue padrões internacionais. Com 2,06 metros de altura, oferece conforto aos usuários. Apenas nas extremidades dos vagões a altura é de 1,97 metro por causa da tubulação do ar-condicionado. Ressalta que as portas dos quatro novos trens que já circulam na Linha 2 (Verde) tiveram sua largura aumentada de 1,3 metro para 1,6 metro, facilitando o embarque e o desembarque de passageiros.As cartas devem ser enviadas para spreclama.estado@grupoestado.com.br, pelo fax 3856-2940 ou para Av. Engenheiro Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900, com nome, endereço, RG e telefone, e podem ser resumidas. Cartas sem esses dados serão desconsideradas. Respostas não publicadas são enviadas diretamente aos leitores.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.