Lote irregular fez ''Itaquá'' dobrar

''O terreno estava baratinho'', diz moradora que nunca viu escritura

Mônica Cardoso, O Estadao de S.Paulo

23 Outubro 2008 | 00h00

Para realizar o sonho da casa própria, a dona de casa Maria Bernadete de Almeida, de 51 anos, teve de mudar de cidade há cinco anos. A família trocou Arujá, onde pagava aluguel de R$ 230, pela vizinha Itaquaquecetuba, onde adquiriu um lote por R$ 2,8 mil no assentamento irregular Piratininga 2. "Uma amiga me falou que o terreno estava baratinho. Meu marido tinha sido despedido e íamos parar embaixo da ponte". Segundo ela, os lotes pertenciam a dois irmãos, que teriam invadido o local há alguns anos. Ela guarda o comprovante de compra, mas não tem escritura da casa. Maria Bernadete tem o perfil de boa parte dos moradores de ?Itaquá?, que vieram de cidades vizinhas e bairros da zona leste atraídos pelo preço baixo dos terrenos. Isso fez dobrar a população, que passou de 164 mil habitantes, em 1990, para atuais 334 mil. A dona de casa e o marido colocaram telhado e piso na pequena casa de três cômodos - cozinha, quarto e banheiro. Os vizinhos improvisaram uma rede de esgoto. As ruas não são pavimentadas. O bairro não tem posto de saúde, escola, supermercado ou ponto de ônibus. Ela tem de ir até Piratininga 1, um assentamento mais antigo. A mesma falta de infra-estrutura é vista em outro assentamento irregular, o Vila Celeste, que existe há mais de 30 anos, onde o esgoto ainda corre a céu aberto. "Comprei um terreno da minha tia, mas não recebi comprovante", diz o motorista Antônio dos Passos, de 55 anos. "Mas boa parte das casas é de invasão. Volta e meia aparecem grileiros vendendo terrenos". O prefeito Armando Tavares Filho (PL) reconhece o problema. "Ainda temos 65 loteamentos irregulares na cidade". Segundo ele, fraudadores vendem terrenos particulares e dão até contrato. A Prefeitura recebeu R$ 14 milhões de recursos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do governo federal e está comprando os terrenos dos assentamentos para a legalização.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.