Luana, atacada por um pitbull, morreu. A família doa órgãos

A menina Luana da Silva Oliveira, de 8 anos não resistiu. Morreu nesta terça-feira, em Jundiaí, no Hospital Universitário. Ela foi atacada na quarta-feira da semana passada por um pitbull na garganta e ficou em coma desde então. O pai da menina, Hélio Alves de Oliveira, de 41 anos, prometeu iniciar uma luta para que os donos de pitbulls passem a prender melhor os cachorros."Quando eu vinha para o hospital quase fui atacado na calçada por dois pitbulls que estavam com um rapaz e ele riu, a polícia passava e não fez nada". Chorando bastante, o pedreiro desempregado contou que decidiu doar os órgãos da filha. "Cada pedacinho dela vai ajudar outras cinco pessoas a viverem", comentou, na porta do hospital, após ser informado de que a filha tinha sofrido morte cerebral. Hélio disse que foi "muito sofrimento" pelo que a família passou. "Olha, uma semana chorando, tendo esperanças e agora a gente recebe essa notícia". Durante o período em que Luana esteve internada, o dono do pitbull, Jamil Martins Alves da Silva, que era vizinho de Hélio, visitou-a todos os dias, além de teroferecido ajuda. Hélio disse que perdeu uma filha especial. "A Luana queria ser professora. Ela saía da escola, chegava emcasa e sentava no banquinho e chamava o irmão (Mateus) para lhe ensinar a escrever. Ela era linda, dizia para a gente que iria ser professora". A Assessoria de Imprensa do Hospital Universitário informa que serão retirados de Luana o coração, pulmão, rim, córnea efígado, para que o Hospital da Unicamp possa transplantar para pacientes que estão em fila de espera.

Agencia Estado,

06 de abril de 2004 | 17h37

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.