Lucro e baixo risco atraem traficantes de mulheres

O tráfico de pessoas é definido pela ONU como "recrutamento, transporte, transferência, abrigo ou recebimento de pessoas, por meio de ameaça ou uso de força ou outras formas de coerção, de rapto, fraude ou engano". O problema das mulheres traficadas na Europa não é recente. Desde a globalização dos mercados econômicos, a liberalização das fronteiras entre países membros e o colapso da União Soviética, no início dos anos 90, o problema se agravou. "Elas vêm geralmente de ambientes fragilizados, do ponto de vista econômico, mas também familiar. Seja do Brasil ou do Leste Europeu", afirma Luís Santos, psicólogo social e pesquisador do Centro das Minorias da Universidade Fernando Pessoa, no Porto. ''Num certo sentido, podemos dizer que o tráfico de mulheres é mais rentável do que o tráfico de armas ou drogas porque as mulheres, contrariamente às drogas, são vendidas e revendidas várias vezes'', diz a pesquisadora Madalena Duarte, da Universidade de Coimbra. O baixo risco é também apontado por estudiosos como atrativo aos criminosos, sendo difícil às autoridades caracterizar a infração, porque não há um produto do tráfico e sim vítimas, em que em diversos casos o testemunho é a prova mais importante. Os criminosos sustentam uma rede que liga empresários da noite, pequenos grupos donos de apartamentos alugados para prostituição e recrutadores em vários países.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.