Lula achou "ótimo" crescimento de Heloísa Helena

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva indicou que sua campanha só vai começar a partir de 1º de agosto. Ele disse que não se preocupa com o aumento das intenções de voto na sua adversária Heloísa Helena, senadora expulsa do PT e hoje candidata do Psol à presidência da República. Logo depois desembarcar em Córdoba, onde participará da 30ª Reunião de Cúpula do Mercosul, Lula declarou que considera "ótimo" o avanço de sua concorrente - mesmo ciente de que esse o movimento tornará cada vez mais difícil sua vitória no primeiro turno - e ressaltou que espera o mesmo de outros candidatos. Entretanto, evitou responder diretamente se os resultados mais favoráveis a Heloísa Helena nas pesquisas mais recentes mostram que uma parcela do eleitorado não se identifica nem com o PT nem com o PSDB. "O crescimento dela é importante para a democracia brasileira", esquivou-se. Lula fixou o próximo dia 1º de agosto como data de largada de sua campanha pela reeleição. Bem-humorado, adiantou que, para conciliar a sua situação de candidato com suas responsabilidades como presidente da República, terá de "pedir" à primeira-dama, Marisa Letícia, e reservar os finais de semana para as viagens de campanha. PesquisasCoerente com suas declarações anteriores, o presidente minimizou os resultados das últimas pesquisas de intenção de voto relativos a seu próprio desempenho, que vem recuando. Declarou que nunca se preocupou com pesquisas e que não seria esta a primeira vez. O presidente desvencilhou-se com habilidade de uma pergunta sobre as expectativas de se reeleger no primeiro turno, alimentadas até há pouco tempo por seus aliados e membros do governo. Repetiu que sua campanha começará "para valer" apenas em agosto, acentuou que só "a partir daí a gente vai ver o que vai acontecer" e arrematou com uma referência ao futebol. "Segundo turno Ele lembrou que foi um dos proponentes do segundo turno, na Constituição de 1988, como um meio de impedir eleições "complicadas e com uma diferença muito pequena" e citou o caso do México. A eleição mexicana do último dia 2 de julho deu a vitória ao conservador Felipe Calderón, com uma margem de apenas 0,6% em relação a Andrés Manuel López Obrador."O segundo turno é a certeza de que, quem for eleito terá uma margem de votos soberana, que vai lhe permitir ter mais tranqüilidade para governar", argumentou. O presidente Lula disse ainda que qualquer um que for candidato no Brasil sabe que tem dois turnos, que pode terminar no primeiro ou no segundo turno, isso faz parte do jogo, não tem problema". Empenhado em demonstrar sua preocupação em não deixar de lado suas atribuições de presidente - uma vez que decidiu não licenciar-se do cargo durante a campanha - Lula informou que participará da "reunião toda" do Mercosul, em uma indicação de que não antecipará seu retorno. Seu embarque para o Brasil está marcado para as 14h30 de sexta-feira.Este texto foi atualizado às 22h37

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.