Lula convoca reunião para discutir apagão aéreo no Planalto

A reunião do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, no Palácio do Planalto, para discutir o apagão aéreo ocorrido no fim de semana, terminou por volta das 13 horas desta segunda-feira, 19. O presidente questionou o motivo do problema que causou novos atrasos em vôos nos principais aeroportos do País desde a tarde de domingo, 18.Participaram da reunião, que durou cerca de uma hora, os ministros da Defesa, Waldir Pires, da Casa Civil, Dilma Rousseff e do Gabinete de Segurança Institucional, general Armando Felix, o comandante da Aeronáutica, Juniti Saito, a diretora da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Denise Abreu e o diretor de operações da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero), Rogério Barcellay. Pela manhã, o presidente da Infraero, brigadeiro José Carlos Pereira, havia dito, em entrevista à TV Globo, que não acreditava que antes das 15 horas os vôos estejam normalizados nos aeroportos. O último boletim da Infraero, divulgado por volta das 13 horas, mostrava que, da zero hora até o meio-dia, dos 839 vôos programados, 245 apresentaram atrasos superiores a uma hora, o que corresponde a 29,2% do total.Pane começou no domingoNa manhã de domingo, 18, uma nova pane no Centro de Defesa Aérea e Controle do Tráfego Aéreo (Cindacta-1), responsável pelo controle do espaço aéreo nas Regiões Sudeste e Centro-Oeste, provocou total paralisação de vôos e decolagens na manhã de ontem nos principais aeroportos do País. O problema ocorreu durante 20 minutos, a partir das 10h40. Só por volta das 14 horas o sistema informatizado do Cindacta 1 voltou a funcionar. Entretanto, os atrasos e o congestionamento nos balcões de check-in das companhias já eram enormes e ainda refletem nesta segunda-feira. Segundo boletim da Infraero, da zero hora até o meio-dia desta segunda-feira, dos 839 vôos programados, 245 apresentaram atrasos superiores a uma hora, o que corresponde a 29,2% do total.ControladoresControladores de tráfego aéreo consultados pelo Estado, informaram que o problema que ocorreu em todo o Cindacta-1 são comuns e acontecem sempre nas regiões de Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo, mas de forma isolada. O problema, neste domingo, é que ele se estendeu para todo o sistema. "Freqüentemente isso acontece em um console (mesa onde tem o radar que controla as aeronaves), ou em uma região, que controla um corredor de aeronaves, mas não é comum no sistema todo", declarou um controlador, que já enfrentou esta situação em outras ocasiões."O que aconteceu repete o filme que vimos no dia 4 de dezembro, quando todo o sistema de comunicação entre pilotos e o centro parou de funcionar. Os defeitos aconteciam isoladamente, até que aconteceram em conjunto gerando o apagão. Nós dizemos e insistimos que os problemas persistem e que, desde então, nada aconteceu, nada mudou", desabafou outro controlador. Para ele, "a única diferença, é que, agora, existem oficiais supervisores de plantão, que acompanham a nossa aflição com os problemas que acontecem ali no dia a dia".Reforço da fiscalizaçãoA inspeção no tráfego aéreo deverá ser ainda maior para evitar atrasos e cancelamento de vôos durante o feriado de Páscoa. De acordo com o Procon de São Paulo, a Anac tem monitorado as companhias aéreas visando o cumprimento das normas do setor, informou a Rádio Eldorado. A técnica Márcia Cristina Oliveira salientou que é importante reforçar a fiscalização sobre as reservas de vôos das empresas a fim de impedir a venda excessiva de passagens. Ela ressalta que é preciso que os passageiros se previnam no caso de ocorrerem atrasos."Os consumidores devem guardar quaisquer tíquetes, recibos de refeição que eles tenham feito durante o atraso para que possam recorrer depois. Isso tanto no órgão de defesa do consumidor como no Juizado Especial Cível", recomendou.Para evitar filas no momento do check-in, a técnica do Procon de São Paulo também aconselha aos passageiros que procurem meios alternativos para não passarem por transtornos. As opções são tentar fazer o procedimento um dia antes da viagem ou pela internet. No dia do embarque, Márcia sugere que as pessoas cheguem no horário determinado pela empresa aérea.Colaborou Paulo R. ZulinoTexto alterado às 13h30

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.