Lula demite presidente e diretor dos Correios

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva mudou o comando dos Correios, mas manteve a estatal como feudo do PMDB. Após demitir Carlos Henrique Custódio, ligado ao ex-ministro das Comunicações Hélio Costa (PMDB), o Planalto indicou para presidente da empresa David José de Matos, que integrou o governo de José Roberto Arruda, que deixou o cargo acusado de capitanear o mensalão do DEM no Distrito Federal.

Edna Simão, Leonardo Goy de Brasília, O Estado de S.Paulo

29 de julho de 2010 | 00h00

"Havia uma necessidade de dar uma oxigenação nos Correios", disse o ministro das Comunicações, José Artur Filardi, ao justificar a troca de comando.

No xadrez das relações de PT e PMDB, a nomeação de David de Matos fortalece aliança em Brasília, já que peemedebistas formam chapa com o candidato petista ao governo do DF, Agnelo Queiroz.

Ex-secretário-geral da Novacap, estatal do DF responsável pela execução de obras de urbanização, o novo presidente dos Correios é ligado ao PMDB de Brasília. Após ser demitido pelo ministro das Comunicações, Custódio disse que a decisão não partiu do ministério e, "ao que tudo indica", foi orientação da Casa Civil e do presidente da República.

Além dele, também o diretor de Gestão de Pessoas da estatal, Pedro Magalhães, foi exonerado. Para substituí-lo, o escolhido é Nelson Oliveira de Freitas.

O processo de "fritura" da cúpula dos Correios se intensificou nos últimos meses. No início de junho, o Estado noticiou que Lula havia adiado a decisão de demitir a diretoria da empresa para não prejudicar a aliança do PT com o PMDB em Minas.

O PMDB, partido de Hélio Costa, havia indicado boa parte da diretoria da empresa. No mês passado, porém, as demissões foram iniciadas, com a saída do diretor de Operações, Marco Antonio Oliveira. Ontem o governo anunciou que, em seu lugar, será nomeado Eduardo Artur Rodrigues Silva, ex-presidente da VarigLog.

Custódio recebeu a notícia de que deixaria a presidência dos Correios após participar de evento com Lula, realizada ontem no Clube do Exército, em Brasília, mas, segundo Custódio, durante o evento Lula não deu a ele qualquer sinal sobre a demissão.

O ministro das Comunicações negou que a decisão tenha sido política. Segundo Filardi, a decisão é "administrativa", em consequência das frequentes reclamações sobre o atraso das correspondências e encomendas nos últimos meses.

Para lembrar

Empresa foi alvo de CPI

Após denúncias que resultaram na CPI dos Correios estourou o escândalo do mensalão em 2005. O esquema de corrupção foi denunciado pelo ex-deputado Roberto Jefferson (PTB-RJ) em 2005.

O dinheiro arrecadado com o esquema seria usado para garantir os votos necessários para aprovação de projetos do interesse do governo Lula. Jefferson revelou que congressistas aliados de Lula recebiam mesada de R$ 30 mil do PT.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.