Lula diz que naufrágio no AM foi um crime de irresponsabilidade

Presidente afirmou que população também deve se 'autofiscalizar' e escolher bem os meios de navegação

Clarissa Oliveira, enviada especial de O Estado de S.Paulo

06 de maio de 2008 | 20h45

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva comparou o naufrágio do barco Comandante Sales 2008, ocorrido no Rio Solimões no último fim de semana, a um "crime" cometido como resultado da irresponsabilidade. Em visita a Manaus, Lula disse que pretende conversar com o Comando da Marinha para analisar o funcionamento da Capitania dos Portos na região. Mas insistiu que é preciso fazer uma análise objetiva do caso, que leve em conta a responsabilidade do dono da embarcação.   Veja também: Vítimas de naufrágio no AM pode chegar a 50, diz prefeito Chega a 32 o número de mortos em naufrágio no Amazonas   "O que eu acho é que é uma irresponsabilidade", disse o presidente, que comparou a tragédia ao caso do Bateau Mouche, no Rio de Janeiro. "Quando um cidadão, ganancioso pensa em ganhar dinheiro, alugando um barco, colocando mais gente do que deveria colocar, sem a segurança ideal, esse cidadão está cometendo um crime contra o povo que alugou o barco."   Lula reconheceu que governos federal, estaduais e municipais devem cumprir sua parte e fiscalizar as embarcações, mas pediu que a população se "autofiscalize" na hora de escolher um meio de navegação. "Não é a primeira tragédia, e eu peço a Deus que seja a última, peço a Deus que isso sirva de lição para a gente não permitir que gente desvairada coloque a vida de centenas de pessoas em perigo."   Lula contou que ele próprio já navegou pela região Norte do País em barcos semelhantes ao que afundou, em suas andanças para fundar o PT e criar a Central Única dos Trabalhadores. Na ocasião, disse, pôde constatar o excesso de passageiros usual nesse tipo de embarcação.   "Eu viajei em um barco em que tinha caixa d'água com peixe, tinha bode, tinha cavalo, tem tudo dentro de um barco. Eu fui lá, eu diria até, por um ato impensado de não conhecer", disse Lula, que também prestou sua solidariedade às famílias das vítimas do naufrágio. "Aquele barco viaja no rio Tapajós, faltando um palmo de mão para entrar água dentro dele e qualquer coisinha que aconteça você pode ser vítima de uma desgraça."

Tudo o que sabemos sobre:
naufrágioAmazonasRio SolimõesLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.