Lula e Alckmin deixam ataques para confronto direto

No último debate antes das eleições deste domingo, transmitido pela TV Globo e mediado pelo jornalista William Bonner, na noite desta sexta-feira, foram os eleitores indecisos que definiram os temas debatidos pelos candidatos à Presidência da República, Geraldo Alckmin (PSDB) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Diferente dos outros três embates entre os dois postulantes ao cargo de mais alto mandatário do País, o debate desta noite trouxe o petista menos irônico e o tucano com um estilo menos ´Mike Tyson´, mas ainda centrado em duras críticas ao governo do PT. Com momentos duros, os dois candidatos bateram boca, recorreram a palavras duras e a insinuações maliciosas em suas respostas. Acusado de deixar prosperar o PCC em São Paulo, Alckmin chegou a afirmar que o PCC não é ligado a seu partido. Antes, Lula havia provocado: ?se ele cuidou da segurança como diz que cuidou, o resultado é que a maior quadrilha de gangue estava dentro da cadeia.?O duelo final das eleições de 2006 esquentou quando Lula, já no final do debate, fez uma provocação a Alckmin, dizendo que ele ?deixou nascer o PCC? e pediu que ele contasse para o povo ?de onde vem o dinheiro? para as muitas propostas que apresenta para a área da segurança pública. Foi neste momento que Alckmin aproveitou para dar um de seus mais duros golpes contra o petista. "Quando o candidato Lula perguntou de onde vem o dinheiro, eu pensei que ele fosse explicar para você de onde veio o dinheiro do dossiê Vedoin.? Bom de improviso, Lula retrucou com menos criatividade: ?O dinheiro, você sabe de onde veio. Foi uma secretária-geral do PSDB de uma cidade de Minas Gerais que mandou o padeiro mentir?, afirmou, referindo-se a Roseli Pantaleão, secretária-executiva do PSDB de Pouso Alegre (MG), que teria orientado Luís Armando Silvestre Ramos, a dizer à Polícia Federal que levara de Minas parte do dinheiro apreendido com petistas em São Paulo. E foi além em seu ataque final, afirmando que o governo Alckmin gastou R$ 1.800 por criança, por ano, na Febem paulista, para fazer ?uma casa de produção de criminosos?. Alckmin contra-atacou com energia, afirmando: ?Eu não passo responsabilidade para os outros. O sonho de Mário Covas era reduzir o número de homicídios em São Paulo pela metade. Pois caiu 54%, e isso não é só número, é gente que está deixando de morrer.? E cutucou Lula: ?Eu não cortei dinheiro do Fundo Penitenciário?, disse, repetindo uma crítica que sempre faz ao petista.Indecisos comandaram perguntasCheio de jogo de câmeras, o que deixou à mostra do espectador os olhares de um candidato para o outro, o debate desta sexta-feira inovou ao ser praticamente todo conduzido a partir de perguntas de eleitores indecisos, selecionados pelo Instituto Ibope. A fórmula adotada pela emissora era a de o embate servir ao eleitor que ainda estava indeciso. Se serviu mesmo, são outros quinhentos. Os candidatos foram perguntados sobre vários temas pelos indecisos, durante os três primeiros blocos do debate. Coincidentemente, é nos três primeiros blocos que eles respondem as perguntas de maneira mais respeitosa e sem partir para o ataque direto. Depois da questão do eleitor, vinha a resposta do candidato, uma réplica do concorrente e uma tréplica ao candidato inicial. Na etapa final do confronto, Alckmin perguntou a Lula por que todas as pessoas que perguntaram aos candidatos relataram problemas. O petista respondeu: ?As coisas que estão acontecendo é o governo federal (sic.) que coloca dinheiro.? E completou: ?Não existe hoje neste país um programa social que não seja do governo federal, tirando os cento e sessenta mil qualquer coisa aí do Alckmin. Cada brasileiro sabe que não é possível consertar em quatro anos o que não foi feito em quarenta.?Incisivo, o tucano cobrou a menção irônica de Lula aos ?cento e sessenta qualquer coisa aí do Alckmin?. E disse: ?Precisamos ser mais respeitosos. São 160 mil pessoas que recebem o Renda Cidadã, programa social do governo de São Paulo, não são cento e sessenta e qualquer coisa.?Lula disse que não criou os programas sociais que são a marca principal de seu governo ?por criar?: ?Criei porque o movimento social organizado exigiu que fosse criado.? E fez uma promessa: colocar mais 300 mil jovens no ProUni nos próximos quatro anos, se for eleito.Ao final, Alckmin apelou aos eleitores e disse que o ?não troque o certo pelo duvidoso (slogan de Lula)? é ?medroso?. Depois de uma hora e 49 minutos, os dois candidatos se cumprimentaram amistosamente no meio da arena, onde de pé e quase no corpo-a-corpo protagonizaram o confronto.

Agencia Estado,

28 de outubro de 2006 | 00h36

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõeseleições 2006

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.