Lula e Alckmin trocam acusações no horário eleitoral

Os dois candidatos à Presidência da República, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB), trocaram acusações durante o horário eleitoral na televisão desta quarta-feira. Lula, que falou sobre a segurança pública, aproveitou para alfinetar Alckmin com os ataques do PCC, enquanto o tucano, que prometeu obras e investimentos para o Nordeste, acusou Lula de não repassar verbas aos Estados da região.Lula ressaltou que a segurança pública é "responsabilidade direta dos Estados, e não do governo federal". "Mas isso, de forma nenhuma, pode servir de pretexto para a omissão ou fuga de responsabilidades", completou, e disse que seu governo recuperou o papel federal de articular uma política nacional de segurança e de oferecer ajuda aos Estados. Ele destacou iniciativas como o Sistema Único de Segurança Pública, a Força Nacional de Segurança Pública, os Gabinetes de Gestão Integrada e ainda o trabalho da Polícia Federal. Lula afirmou que acabou com a "ingerência política" no trabalho da PF, e disse vai "derrotar a corrupção e o crime organizado".O petista aproveitou para criticar indiretamente Alckmin, e citou o caso do PCC em São Paulo. Ele ressaltou que implantou o Sistema Penitenciário Federal, e destacou o presídio de Catanduva, no Paraná, afirmando que todos os Estados enviaram presidiários, "com exceção de São Paulo, que se recusa a enviar seus presos", alfinetou. "Antes de Lula, o governo federal fazia muito pouco na área da segurança pública", disse uma apresentadora, e exibiu nova comparação com a administração Fernando Henrique Cardoso. Alckmin apresentou suas propostas para o Nordeste em seu programa. "O Brasil não cresce porque o governo fica parado e só se mexe na hora da eleição. Com isso a economia não anda, as empresas não produzem, e o emprego não aparece", acusou ele, e afirmou que quem perde são "as regiões mais pobres". "Se a gente botar para andar as obras que estão paradas no Nordeste, nós vamos resolver boa parte do desemprego na região", disse, e prometeu retomar obras que, segundo ele, estão paradas, como os metrôs de Salvador, Fortaleza e Recife, e a rodovia Transnordestina. Ele aproveitou para alfinetar o governo Lula, e afirmou que seu governo dará um "exemplo de honestidade, de seriedade, de trabalho".Alckmin defendeu "o novo Nordeste, com emprego, turismo, trabalho, renda, irrigação", e afirmou que, com novas obras, ele irá gerar emprego e renda. Ele prometeu criar a Nova Sudene, para agilizar decisões para a região. O tucano defendeu estímulos ao turismo no Nordeste, e disse que irá duplicar a rodovia Costa Dourada, que liga as praias do Nordeste, entre Salvador, na Bahia, e São Luís, no Maranhão. Alckmin afirmou também ainda que irá "acabar com o desperdício, acabar com a corrupção, e economizar na hora de comprar", e ressaltou o leilão eletrônico como forma de economizar o dinheiro público.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.