Lula e familiares de jovens mortos mantêm sigilo após reunião

Secretaria Especial dos Direitos Humanos disse que decisão foi tomada em conjunto pelas famílias e governo

Felipe Werneck e Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

23 de junho de 2008 | 20h30

O tom "sigiloso" do encontro reservado que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva teve nesta segunda-feira, 23, no Palácio Guanabara com cinco parentes dos três jovens assassinados do Morro da Providência, no centro da capital, foi mantido no discurso da mãe de Wellington Gonzaga da Costa, de 19 anos, uma das vítimas. Após a reunião, a servente Lilian Gonzaga foi a única do grupo a conversar com jornalistas: "A gente só a agradece a ele (Lula) e pronto. Ele recebeu a gente entre quatro paredes. Não posso falar mais nada", declarou. Repórteres insistiram, e ela acrescentou, antes de ir embora, que pediu Justiça ao presidente. "Ele (Lula) não pode fazer nada por mim, mas agradecemos por ter recebido a gente."     Veja também: Lula 'não pode fazer nada por mim', diz mãe de jovem morto Lula se reúne com familiares dos jovens mortos da Providência Juiz do Rio se declara 'incompetente' para julgar militares Opine: o Exército pode cuidar da segurança pública?    Os cinco parentes que participaram do encontro receberam de Lula uma garantia verbal de que serão indenizados. Um representante da Secretaria Especial dos Direitos Humanos da Presidência da República informou que o encontro não foi divulgado por decisão conjunta das famílias e do governo. "Já houve muita exposição para as famílias. A questão era preservar. Foi uma decisão de comum acordo."   A secretária de Assistência Social do Rio, Benedita da Silva, foi ao Morro da Providência buscar o grupo e le vou os cinco de carro até o Palácio Guanabara para o encontro com Lula. Maria de Fátima Barbosa, mãe de Marcos Paulo Rodrigues Campos, 17, um dos assassinados, também participou da reunião. Os outros três parentes seriam dois avós e uma mulher ou irmã dos jovens.   PT   O petista Alessandro Molon foi o único dos quatro candidatos da base aliada na sucessão municipal a não participar do evento oficial desta segunda, de apoio à candidatura do Rio a sede dos Jogos Olímpicos de 2016, que antecedeu um almoço oferecido a Lula pelo governador Sérgio Cabral Filho (PMDB) e a reunião do presidente com parentes dos jovens. O candidatos Marcelo Crivella (PRB), Eduardo Paes (PMDB) e Jandira Feghali (PCdoB) participaram da cerimônia, em que foram anunciadas medidas de apoio à candidatura.

Tudo o que sabemos sobre:
LulaMorro da ProvidênciaExército

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.