Lula está convencido de que fez o certo em não ir ao debate

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, candidato à reeleição pelo PT, disse na tarde desta sexta-feira estar convencido de que tomou a decisão correta, ao não comparecer ao debate entre os candidatos a presidente, promovido nesta quinta-feira pela Rede Globo. "Foi bom porque o povo viu e assistiu ao nível do debate", declarou o presidente, numa tumultuada entrevista coletiva, concedida em frente ao portão de entrada da fábrica da Mercedes-Benz, no ABC paulista, onde realizou panfletagem. Lula destacou ainda que a campanha presidencial deste ano foi marcada pelo "baixo nível".Tratando de desqualificar seus adversários, Lula disse que, no debate, os participantes "jogaram fora uma grande oportunidade". "Algum tempo atrás, eles diziam que só ataca e xinga quem não tem programa e eu lamento profundamente que eles tenham tido o comportamento que tiveram", argumentou. "Graças a Deus, vou terminar minha campanha sem citar o nome de nenhum adversário, nem para o bem, nem para o mal."O presidente elogiou a cobertura democrática que a imprensa brasileira desenvolveu durante a campanha presidencial deste ano, Afirmou que, com a realização dos debates e o acompanhamento da imprensa no dia-a-dia da campanha, nenhum dos concorrentes poderia se queixar da cobertura jornalística ou de falta de oportunidade para apresentar idéias e propostas. "Se eu tivesse metade da imprensa que todos tivemos, já teria ganho (a eleição presidencial) em 1989, quem sabe, em 1994", opinou.Diante da dificuldade com que vários jornalistas enfrentavam para ouvir as palavras do presidente, vários deles pediram para que Lula falasse mais alto, o que levou o presidente a soltar a seguinte ironia: "Não posso falar mais alto, porque, senão, vão dizer que estou fazendo discurso."PanfletagemLula enfrentou um frio intenso e uma chuva fina, em frente à fábrica da Mercedes-Benz, em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, para cumprimentar os trabalhadores da unidade e distribuir panfletos pedindo votos para a campanha dele. Ele chegou às 14h25 e estava acompanhado do candidato do PT ao governo de São Paulo, Aloizio Mercadante, do presidente da Câmara, deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), e da ex-prefeita de São Paulo Marta Suplicy, além dos ministros das Relações Exteriores, Celso Amorim, e do Trabalho, Luiz Marinho, e do porta-voz da Presidência da República, André Singer.No corredor de entrada da montadora, foram instaladas grades que impedem o contato direto da imprensa com o presidente da República, mas uma parte dos funcionários da Mercedes ultrapassou a barreira para ficar lado a lado ao presidente, abraçá-lo e cumprimentá-lo. Sorridente, Lula cumprimentou trabalhadores e faz gestos e brincadeiras, além de posar para fotos ao lado de Mercadante.Enquete - resultado parcialPor volta das 16h, na enquete do Portal Estadão - "ausência no debate prejudica Lula?" - quase 9 mil pessoas já haviam votado. Destas, 73,87% responderam que sim e 26,13% disseram que não.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.