Lula festeja um ano da reserva com índios divididos

Presidente participa hoje de comemoração na Raposa Serra do Sol, mas grupo indígena prepara protesto e deve fechar estrada

Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

19 de abril de 2010 | 00h00

ENVIADA ESPECIAL

BOA VISTA E MATURUCA

Um ano depois da decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva comemora hoje o Dia do Índio festejando a demarcação da reserva Raposa Serra do Sol, mas com os povos indígenas da região ainda divididos.

Convocados e organizados pelo Conselho Indígena de Roraima (CIR), um grupo de índios vai receber Lula em Maturuca e cantar o Hino Nacional em dialeto macuxi. Outro grupo fará um protesto fechando uma estrada.

O governador tucano de Roraima, José Anchieta Júnior, apesar de convidado pelo Planalto, até ontem à noite não havia confirmado presença na solenidade. De acordo com nota divulgada pela assessoria de imprensa do governo, ele não havia confirmado presença "devido a compromissos no interior do Estado".

Os fazendeiros da região, que foram retirados da reserva por ordem do STF, consideram a agenda de Lula "uma afronta" e se dizem "revoltados". Mas acrescentam que, em vez de protestar, preferem "ignorar" a presença do presidente no Estado. "Não temos ânimo para protestar. Preferimos ignorar a vinda do presidente da República aqui e a festa, até porque ele nem vem à capital", disse o presidente da Associação dos Arrozeiros de Roraima, Nelson Massani.

Lula vai ficar na Vila Maturuca cerca de três horas. E vai passar ao largo do protesto que ontem estava sendo preparado pelos representantes macuxi, liderados pelo presidente da Sociedade de Defesa dos Indígenas Unidos do Norte de Roraima, Sílvio da Silva. Ele disse que a associação, que representa 9 mil índios, espalhados por 55 comunidades, não foi convidada para a festa organizada pelo CIR e pela Funai.

Os índios macuxi planejam protestar no aeroporto de Boa Vista, onde Lula vai trocar o avião por um helicóptero, e levantar uma barreira em Caipitá, na estrada que leva em direção ao município de Uiramutã e à Vila de Maturuca.

A reserva. Localizada no noroeste de Roraima, na fronteira com a Guiana e a Venezuela, a reserva indígena da Raposa Serra do Sol tem uma área de 1,67 milhão de hectares onde vivem cerca de 19 mil índios de cinco etnias: macuxi, wapichana, ingarikó, taurepangue e patamona. A desocupação da área ainda é palco de polêmica porque parte dos próprios índios defendem a permanência dos produtores de arroz e pecuaristas da região, alegando que vivem perfeitamente entrosados com eles.

A ocupação por não índios está registrada desde 1919 pelo antigo Serviço de Proteção ao Índio (SPI). Nelson Massani, que vivia na região há mais de 30 anos e que tinha título e propriedade da terra emitido pelo Incra, disse que, depois da desocupação a produção de arroz no Estado caiu 52%. "Lula fez a desocupação para atender interesses externos. Estão falando até que ele quer um cargo lá fora para quando sair", acrescentou.

A reportagem ligou ontem para o CIR, mas não conseguiu falar com seus dirigentes.

300 bois. Os organizadores da festa do aniversário da demarcação da reserva tiveram de montar uma estrutura especial para receber todos os convidados. De comida até banheiro, tudo teve de ser providenciado para atender às autoridades. Segundo o CIR, para garantir a alimentação, 300 bois foram disponibilizados pelas comunidades indígenas. Cestas básicas serão fornecidas pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Desde o início de abril, um batalhão de engenharia e construção está realizando obras para melhorar os 11 quilômetros da estrada que leva ao local da festa. A viagem de carro a partir de Boa Vista demora de 5 a 8 horas, dependendo da velocidade e do tempo. Foi providenciada a instalação de um sistema de emergência para fornecimento de energia com um gerador cedido pela Companhia Energética de Roraima.

Como o presidente Lula estará presente, do meio dia até as 15 horas, o espaço aéreo deverá ficar fechado. Para entrar, todas as pessoas credenciadas precisam se identificar em três barreiras de fiscalização montadas na terra indígena. Segundo informações divulgadas pelo CIR, todos os convidados e jornalistas deveriam chegar até as 18h de ontem porque hoje o acesso será fechado pelas equipes de segurança compostas por homens da Polícia Federal e da Força Nacional de Segurança. / COLABOROU MARIÂNGELA GALLUCCI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.