Lula ironiza slogan adotado por Serra

'Quando tudo está pronto, fica fácil', diz presidente sobre a frase 'o Brasil pode mais', usada pelo tucano, e afirma ser cópia do 'we can' de Obama

Tânia Monteiro, Leonencio Nossa de Brasília, O Estado de S.Paulo

15 de abril de 2010 | 00h00

Lupa. Lula orientou funcionários do Sebrae a mapearem mais o País para buscar oportunidades nas 'entranhas do sertão' O presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou na madrugada de ontem de uma viagem de três dias aos Estados Unidos disposto a se reposicionar no jogo sucessório, que estava limitado às atuações de sua candidata, Dilma Rousseff (PT), e do principal adversário dela, José Serra (PSDB).

Pela manhã, num evento do Sebrae, nove horas após o desembarque, Lula abandonou o discurso de defesa da continuidade e adotou o slogan "podemos mais" , usado pelo tucano.

Após uma semana de fogo cruzado entre Dilma e Serra, Lula afirmou que o governo criou as condições básicas para o País avançar nas áreas econômica e social. Para ele, é preciso aproveitar o "momento de ouro" que o Brasil está vivendo. "Um momento de autoestima em que todo mundo quer fazer as coisas, está acreditando e pode mais um pouco", disse. "Quando tudo está pronto, fica fácil não querer dizer quem fez", ironizou.

Em evento no sábado, Lula havia ironizado o slogan de Serra, afirmando que era uma cópia do slogan de Obama: yes, we can (sim, nós podemos). Assessores do Planalto dizem que Lula avalia que esse mote "nós podemos mais" sempre fez parte dos seus discursos e agora a oposição está tentando usar isso para ganhar votos. Lula ainda usou como metáfora a figura da mãe, que faz a comida, e o filho, que costuma não dar valor.

Lula orientou os funcionários do Sebrae a mapearem mais o País para buscar oportunidades nas "entranhas do sertão". "Vocês podem fazer mais do que estão fazendo", disse. "Muitas vezes, a gente se deixa acostumar com a mesmice e espera, em casa, as pessoas nos procurarem."

Ele ressaltou o fato de seu governo ter diversificado relações comerciais, citando que, "antes de 2003", o comércio com os Estados Unidos representava 30% e, com a Europa, outros 30%. Também observou que o comércio com o continente africano chegou a US$ 25 bilhões.

"Ponto G". Lula lembrou que deixará o cargo em nove meses e que o presidente do Sebrae, Paulo Okamoto, terá de sair também. "Mas saio com a convicção de que não pude fazer tudo, mas fiz tudo o que o Sebrae me reivindicou e que esteve ao meu alcance, mas sei que vocês podem mais e o Sebrae pode sempre inovar." E finalizou o discurso arrancando risos da plateia: "Vocês têm de descobrir o ponto G da criatividade do ser humano para os negócios."

À noite, em São Paulo, Lula voltou a alfinetar os tucanos. "É uma pena que quando eles governaram não acreditaram que (o País) podia mais", disse o presidente, após participar da abertura do 21.º Congresso Brasileiro do Aço. "O Brasil sempre pode mais. O Brasil pode tudo."

Também afirmou que seu sucessor terá de ter mais juízo que ele para governar o País. "Acabou aquela história de quando eu era candidato em que diziam que eu era demônio. Acabou. Este país virou sério. Quem entrar para presidir este país vai ter de ter mais juízo do que quem está saindo." / COLABOROU SILVIA AMORIM

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.