Lula já incumbiu auxiliar de missões datadas de 2011

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, já recebeu tarefas do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a próxima reunião de ministros de Finanças do G-20, que acontecerá no próximo ano sob a gestão de Dilma Rousseff.

Cláudia Trevisan, Fernando Dantas ENVIADOS ESPECIAIS / SEUL, O Estado de S.Paulo

12 Novembro 2010 | 00h00

Na entrevista coletiva de ontem, em Seul, Lula cedeu o pódio para que seu ministro da Fazenda falasse por quase 20 minutos sobre a ameaça de guerra cambial e dos temas que estão na mesa de discussões dos líderes do G-20 - cujo encontro se encerra hoje, na capital coreana.

"Guido, na próxima reunião de ministros do G-20, é importante que se faça um levantamento para saber o que cada país fez desde a primeira reunião até agora", orientou o presidente.

E completou: "Acho, viu Guido, que essa é uma tarefa importante, que as equipes econômicas que compõem o G-20 trabalhem para facilitar as tomadas de decisões futuras".

A presidente eleita ainda não anunciou sua equipe econômica e disse que divulgará todos os nomes de uma vez. Mantega evitou falar de sua eventual permanência no Ministério da Fazenda.

Em seu primeiro dia em Seul, Lula procurou dar destaque ao ministro. Além de esperar para que Mantega fizesse uma exposição na entrevista coletiva, o presidente afirmou que ele fez a "denúncia" de que existe uma guerra cambial de proporções globais.

Lula também foi além de seu mandato, ao dizer que a promoção do comércio será uma das principais missões do próximo governo - que terá que "viajar mais, fazer mais negócios, colocar os ministros para viajar mais, colocar os empresários para viajar mais e vender mais".

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.