Lula leva vantagem em todas as regiões; Sudeste fez diferença

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva tem vantagem sobre seus adversários em todas as regiões do país. ELe também lidera as intenções de voto por níveis nível de escolaridade. O presidente Lula continua à frente no Nordeste, com 66% das intenções de votos; na região Sul, com 37,5%; no Sudeste, com 39,3%; nas regiões Norte e Centro-Oeste, com 47,4%.O candidato tucano Geraldo Alckmin obteve 11% no Nordeste; 27,7% no Sul; 21,6% no Sudeste; 22,8% nas regiões Norte e Centro-oeste. A candidata do PSOL, Heloísa Helena, recebeu 7% das intenções de voto na região Nordeste; no Sul, 10,5%; no sudeste, 9,9%; 10% no Norte e Centro-Oeste.EscolaridadeEntre os eleitores que têm até quarta série de ensino fundamental, Lula tem 56,5% dos votos, Alckmin 13% e Heloisa Helena 6,8%. Na faixa de quinta à oitava série, também do ensino fundamental - referente a 25% da amostragem -, Lula obteve 45,1%; Alckmin, 21,8%; Heloisa Helena, 8,6%.Entre os eleitores de ensino médio - que representa 28% da amostragem -, Lula recebe 42,7%; Alckmin, 25,5%; Heloisa Helena, 17,9%. Entre os eleitores com ensino superior, Lula está com 37,8% das intenções de voto; Alckmin, 23% Heloisa Helena, 17,9%.Região SudesteA forte retração de Geraldo Alckmin nas intenções de voto na Região Sudeste foi a principal justificativa para a piora no seu desempenho na pesquisa CNT/Sensus. No levantamento, ele ficou com 19,7% das intenções de voto, ante 27,2% na pesquisa de julho.Na Região Sudeste, as intenções de voto ao candidato tucano caíram de 32,4% para 21,6%, região em que o presidente Lula subiu de 36,4% para 39,3%. Heloisa Helena, candidata do PSOL, por sua vez, subiu de 6,8% para 9,9%.Segundo o diretor da Sensus Ricardo Guedes, duas hipóteses podem explicar esta movimentação de Alckmin na Região Sudeste: a segunda onda de ataques do PCC em São Paulo, em julho, e o desempenho positivo de Heloisa Helena no Rio de Janeiro, onde ela aparece em segundo lugar nas pesquisas, com 17% das intenções de voto, ante 15% de Alckmin

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.