Lula libera FGTS de vítima de cheia

Pessoas atingidas podem fazer saque total do fundo; número de mortes chega a 126 e há 33.479 flagelados

Tânia Monteiro, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

12 de dezembro de 2008 | 00h00

Um dia antes de voltar a percorrer as áreas atingidas pelas enchentes em Santa Catarina, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva assinou decreto aumentando o valor do saque da conta vinculada ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço para todas as pessoas que enfrentaram problemas de calamidade. A promessa de liberar integralmente o FGTS para esse tipo de emergência foi feita em 26 de novembro, quando Lula visitou os municípios atingidos pelas enchentes. O decreto anterior limitava o saque em caso de emergência com calamidades a R$ 2,6 mil.Agora, as pessoas atingidas podem sacar até o valor integral do fundo. Anteriormente, também, os saques, ainda que em casos de calamidade, tinham de ter o intervalo de um ano para ocorrerem novamente. Agora esse limite mínimo de tempo também foi abolido. O beneficiado terá até três meses para requisitar a liberação de recursos do fundo.O governador Luiz Henrique entregará ao presidente uma proposta de transformação de parte da dívida que os Estados têm com a União em investimentos. "O Estado é o grande indutor e animador do processo de geração de empregos. No caso de Santa Catarina, que sofre uma crise duplicada por causa da tragédia climática, a redução de 30% da dívida dos Estados com a União acarretaria no investimento maciço em infra-estrutura para a reconstrução", afirmou Luiz Henrique durante o encerramento do seminário internacional Crise - Rumos e Verdades, em Curitiba (PR).NÚMEROSMais um corpo foi encontrado ontem no município de Gaspar, em Santa Catarina. Com isso, subiu para 126 o número de óbitos em todo Estado, por causa das chuvas. Desses, 96 já foram devidamente identificados.De acordo com a Defesa Civil, outras 27 pessoas seguem desaparecidas e 33.479 continuam desalojados e desabrigados - 6.243 desabrigados e 27.236 desalojados. Quem quiser colaborar pode obter informações pelo 0800-48-2020.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.