Lula manda a candidata andar mais nos palanques

A "produção" da pré-candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, passa agora por lições dadas pelo próprio presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ler os discursos em voz alta antes de encarar a plateia, andar de um lado para o outro no palanque e citar nomes de pessoas em comícios são receitas transmitidas do criador para a criatura em encontros semanais.

VERA ROSA, O Estado de S.Paulo

09 de maio de 2010 | 00h00

A cúpula do PT promete apresentar uma Dilma repaginada, mais feminina e mais política, no programa de TV do partido, que será exibido em rede nacional, na quinta-feira. A mudança, garantem os petistas, não será apenas de figurino. Aluna aplicada de Lula, do marqueteiro João Santana e da jornalista Olga Curado, responsável por seus treinamentos para entrevistas, Dilma aparecerá como "apresentadora" de projetos do governo, como o Luz para Todos.

Lula sugeriu que a propaganda não mostrasse apenas números, mas a "vida real" da população. A candidata do PT gravou cenas em Brumadinho (MG), onde visitou um assentamento de trabalhadores, e em Osório (RS). Lá, ela percorreu um parque eólico e defendeu investimentos em energias renováveis.

Os dois Estados não foram escolhidas por acaso: Dilma nasceu em Minas, mas construiu sua carreira política no Rio Grande do Sul. O comando da campanha está empenhado em divulgar que a candidata é de Belo Horizonte porque Minas é o segundo maior colégio eleitoral do País, depois de São Paulo.

O presidente recomendou a Dilma, ainda, que ela introduza cada vez mais "personagens" em seus discursos. A ordem é falar da obra de saneamento na rua do "seu" Onofre e do Bolsa-Família que beneficia "dona" Malvina e seus filhos.

"Nunca se esqueça de olhar nos olhos das pessoas. Você percebe quando alguém está com maldade pela cara do sujeito", ensinou Lula.

O desafio da equipe é colar em Dilma o carimbo da continuidade de Lula, um presidente bem avaliado pela população. É por isso que o PT procura mesclar o velho estilo de "gerentona" com o novo perfil, de mulher que cuida dos pobres. Não é uma missão fácil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.