Lula marca outra reunião e promete ´solução´ até terça-feira

Depois de ter exigido "data e hora" para o fim da crise nos aeroportos do País, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva marcou mais uma reunião para debater o problema, na segunda-feira, quando estará de volta dos Estados Unidos. Lula disse esperar uma "solução definitiva" para o problema até a próxima terça.Pouco antes de embarcar, neste sábado, 31, de Washington para Camp David, para se encontrar com o presidente norte-americano, George W.Bush, Lula disse que a crise é um "problema de gestão" agravado pelo acidente do jato Legacy com o Boeing da Gol, em setembro de 2006.Sem prisõesO presidente disse ainda que desautorizou a prisão de controladores de vôo que se amotinaram na sexta-feira por considerar que não havia pessoal suficiente para substituí-los. Lula justificou também que "o momento não é para radicalização". A prisão dos líderes dos controladores chegou a ser ordenada pelo comandante da Aeronáutica, brigadeiro Juniti Saito, mas o governo acabou cedendo para pôr fim ao movimento, que provocou caos nos aeroportos do País na noite de sexta.?Você assiste futebol na televisão? Você percebe que, quandoum time entra em campo, tem sempre um banco de reservas de seis ou setejogadores sentadinhos, ali, esperando a oportunidade??, comparou opresidente, valendo-se de mais uma metáfora esportiva. ?Você só podetomar uma decisão drástica se você tem uma equipe de substitutos. Ouseja, nós estamos vivendo uma situação de anomalia.?Crítica aos controladoresEle deixou claro que considerou ?importante? atender as reivindicações apresentadas pelos controladores amotinados na sexta-feira e iniciar a reestruturação do setor aéreo. Mas criticou os controladores, lembrando que sua atitude prejudicou milhares de pessoas em todo o País."Eu não posso aceitar a idéia de que o comportamento de algumas pessoas, mesmo que por mais justo que seja, por aumento de salário, possa deixar milhares e milhares de pessoas no aeroporto, cinco, seis, sete horas, sem levar em conta que tem criança, sem levar em conta que têm homens e mulheres que têm um destino para chegar, que pagaram uma passagem e, portanto, têm que ser tratadas com respeito", disse Lula.Lula valeu-se de sua experiência à frente do Sindicato dosMetalúrgicos de São Bernardo do Campo para criticar o movimento dos controladores de vôo. ?Quando eu era dirigente sindical e queria decretar greve em determinadas empresas, a gente sempre decidianão parar alguns setores que eram importantes para a continuidade daprodução e do serviço?, afirmou. ?As pessoas que têm uma função que éconsiderada essencial precisam ter mais responsabilidade que outras.Apoio a SaitoApesar de ter desautorizado o comandante da Aeronáutica, Lula deu respaldo a Saito. ?O brigadeiro Saito é um homem de qualidade, é um brigadeiro extraordinário, é um militar exemplar. Ele está recém (sic) no posto, ou seja, não podemos achar que o brigadeiro Saito tenha alguma responsabilidade (pelo episódio)?, afirmou ele, aoser questionado se bloqueara a ordem de prisão aos controladores.?Esse é um problema estrutural, que nos temos de resolver. É um problema meu, do brigadeiro Saito, do ministro da Defesa, dos controladores e da sociedade brasileira, que não pode ser vitima de determinados comportamentos?, completou.Texto ampliado às 18h40

Agencia Estado,

31 de março de 2007 | 15h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.