Lula participa de comício ao lado de Marcelo Crivella

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva encontrou na Cinelândia, no Centro do Rio, um clima bem diferente do comício de Niterói. A Praça Floriano estava ocupada por cerca de 20 mil pessoas, segundo a Polícia Militar, a maioria evangélicos, militantes da campanha do senador Marcelo Crivella, candidato do PRB ao governo estadual. Ele chegaram ao Centro em ônibus alugados. Parte da Avenida Rio Branco foi fechada desde às 18 horas a pedido da segurança presidencial. Poucas bandeiras do PT eram vistas no mar de estandartes de Crivella. Ao lado do vice-presidente José Alencar, presidente de honra do PRB, Lula aguardou a vez de falar demonstrando certa tensão. Sério, em alguns momentos, caminhava no palanque pensativo com as mãos para trás. Com o microfone nas mãos, falou durante cerca de 30 minutos.Ele cometeu uma gafe ao dizer que, antes de conhecer Crivella pessoalmente, só o conhecia das "missas" que ele rezava na TV, referindo-se, usando um termo católico, aos cultos dirigidos pelo senador, bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus. A platéia reagiu ensaiando uma vaia, mas aplaudiu o presidente quando ele elogiou a conduta parlamentar de Crivella.Lula repetiu números da economia e disse que o País pode começar a crescer 5% ao ano a partir de 2007. "Não vou prometer, porque promessa não vale", salientou. O presidente se vangloriou de ter liquidado a dívida do Brasil com o Fundo Monetário Internacional. "Antigamente os Estados Unidos espirravam e a gente pegava pneumonia. Hoje eu digo: saúde, Estados Unidos. A gente não precisa mais deles", discursou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.