Marcos Alves/Agência O Globo
Marcos Alves/Agência O Globo

Lula pede ao PT alianças amplas para vencer PSDB

Para ex-presidente, é preciso atrair setores em que o partido sofre resistências e articular ações para conquistar nova classe média

Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

20 Abril 2011 | 00h00

AGÊNCIA ESTADO

A sucessão do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, foi um dos temas centrais da reunião de ontem entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e 32 prefeitos do partido no Estado de São Paulo. Diante do cenário de crise no PSDB, petistas preveem que o nome mais provável para a sucessão de Kassab é o de José Serra. Lula defendeu que os petistas ampliem alianças com setores entre os quais o partido sofre resistências e articulem ações para conquistar a nova classe média. Citou como exemplo sua aliança com José Alencar, que atraiu o apoio de parte do empresariado.

Lula se colocou à disposição dos petistas para trabalhar na campanha do próximo ano. A ideia é que ele faça viagens por todo o País para alavancar candidatos petistas. O ex-ministro José Dirceu, também presente à reunião, será um dos articuladores da estratégia petista para as disputas de 2012. Ele vai percorrer o Estado.

Segundo o presidente do PT de São Paulo, deputado estadual Edinho Silva, Lula enfatizou a necessidade de aumentar o arco de alianças. "É muito difícil o PT sozinho ganhar uma eleição. Lula falou da importância de se escolher um bom vice que dialogue com setores que nós tradicionalmente não conseguimos dialogar e que o ideal é que todo mundo tivesse um vice como o Alencar", relatou. Lula não falou com a imprensa ao final da reunião.

Para Edinho Silva, a conquista do voto da nova classe média é crucial na disputa do próximo ano. "É um setor que está formando sua identidade sociocultural e precisamos estimular valores, como a solidariedade e o desenvolvimento sustentável que são valores progressistas. Do contrário, serão cooptados por valores conservadores." Para o deputado, o PT precisa não só dialogar com "os órfãos do malufismo" como compreender a formação intelectual e cultural desses brasileiros.

Na avaliação de petistas, com o êxodo de seus vereadores, o PSDB teria em José Serra a única alternativa para negociar o apoio do recém-criado PSD, de Kassab, para uma candidatura única à Prefeitura. "Se quiserem juntar o PSDB com o Kassab, o Serra terá de ser o candidato. É um desejo deles (tucanos), só não sei se é o que o Serra quer", avaliou o presidente interino do PT, deputado Rui Falcão (SP).

De acordo com Falcão, o PT terá um candidato definido até o fim do ano. "Nunca traçamos as nossas táticas a partir das outras candidaturas e sim das nossa forças", disse o deputado. Os nomes petistas colocados na mesa são os dos ministros Aloizio Mercadante e Fernando Haddad, da senadora Marta Suplicy e os deputados federais Gilmar Tatto e Carlos Zarattini.

Para Edinho Silva, é importante que a definição ocorra sem rupturas internas e sem prévias. "Enquanto eu for o presidente estadual, vou trabalhar contra a prévia porque, para entrar numa disputa acirrada, o ideal é que o PT se unifique sem disputa interna", avaliou.

Os petistas consideram Serra um adversário "dificílimo", mas acreditam que, se ele for o escolhido, a definição do PSDB ocorrerá num último momento, o que daria tempo ao PT de trabalhar melhor um nome.

Os petistas debateram a criação do PSD e concluíram que, embora ele tenha se aproximado do governo Dilma Rousseff, é preciso avaliar seu comportamento nos próximos meses. "Daqui para frente, é observar o que o Kassab fará", afirmou Edinho. Quanto à aproximação de Kassab a tradicionais aliados do PT em São Paulo, como o PC do B, Falcão procurou minimizar a recente parceria. "É uma aliança pontual", afirmou.

Corrida em São Paulo

O PC do B lançou ontem Netinho de Paula como pré-candidato a prefeito. É o segundo nome lançado. O PP já anunciou a pré-candidatura de Celso Russomanno

Estratégia

RUI FALCÃO

PRES. NACIONAL INTERINO DO PT

"Se quiserem juntar o PSDB com o Kassab, o Serra terá de ser o candidato. É um desejo deles (tucanos), só não sei se é o que o Serra quer. Se ele for candidato, será no último minuto, como foi da vez anterior"

EDINHO SILVA

PRESIDENTE DO PT-SP

"É muito difícil o PT sozinho ganhar uma eleição. Ele (Lula) falou da importância de se escolher um bom vice que dialogue com setores que nós tradicionalmente não conseguimos dialogar e que o ideal é que todo mundo tivesse um vice como o Alencar"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.