Lula pede direito de resposta contra a revista Veja

A coligação A Força do Povo (PT-PRB-PCdoB), do candidato à Presidência da República, Luiz Inácio Lula da Silva, entraram com uma ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) nesta quarta-feira, 18, pedindo direito de resposta contra a revista Veja. A representação alega que a reportagem de capa intitulada ?Dossiêgate - Limpeza de Alto Risco? faz ?afirmações precipitadas (respaldadas em denúncias anônimas) e criminosas, revelando um jornalismo acusatório, com nítido, claro e inequívoco propósito eleitoral?. Segundo os argumentos, o objetivo da matéria é prejudicar o presidente Lula às vésperas da votação do segundo turno.A ação contesta a matéria ?Um enigma chamado Freud?, com o subtítulo ?Ele e o dossiêgate são como fogo e dinamite. Por isso, uma operação está em curso para mantê-los afastados. Se ela falhar, será um deus-nos-acuda?.BlindagemDe acordo com os advogados da campanha de Lula, ?a referida operação em curso é descrita pela revista como uma sucessão de crimes, cometidos, um após o outro, para encobrir a origem do dinheiro usado para compra do dossiê?. Acrescentam, também, que o enredo elaborado pela revista utiliza o ex-assessor da Presidência da República Freud Godoy como uma espécie de ?blindagem? ao presidente Lula.Eles Alegam, ainda, que a matéria relaciona, constantemente, o candidato Lula ao fato descrito pela própria revista. Para tanto, os representantes citam o trecho: ?Porque a descoberta da origem do dinheiro do dossiê pode complicar a vida de Lula? Porque todos os fatos, indícios e versões até agora apontam para o cometimento de crime eleitoral, cuja pena é a cassação do registro da candidatura do envolvido - neste caso, o presidente Lula - ou a perda do seu mandato?.Diante das afirmações da revista, os autores destacam que a Veja ?não é o Ministério Público, a Polícia Federal ou a Justiça Eleitoral para fazer acusações?.Os advogados do presidente Lula argumentam, ainda, que a revista faz afirmações ?sem nenhuma competência ou prova?. E classificam de ?terrorismo eleitoral? o fato de a matéria afirmar que ?há envolvimento do candidato Lula em supostos ilícitos e crimes?, fazendo correlação com o resultado das eleições, a duas semanas do pleito.Ainda segundo a representação, a reportagem faz acusações contra a coligação A Força do Povo ao falar da arrecadação dos fundos de campanha, referindo-se a caixa-dois, crimes eleitorais e captação ilícita de recursos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.