Lula protagoniza cenas de candidato em Agulhas Negras

Em uma cerimônia marcada pelo rígido protocolo militar, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, postulante à reeleição, protagonizou cenas de candidato, durante cerimônia de ingresso dos cadetes na Academia Militar das Agulhas Negras (Aman), em Resende, no sul fluminense. Durante o intervalo de informalidade, aberto na cerimônia para que madrinhas e padrinhos dos novos cadetes lhes entregassem os espadins, Lula deixou seu lugar no palanque e se dirigiu sorridente a alguns dos assistentes que o chamavam para tirar fotos. Brincou com algumas pessoas, apertou mãos e até pegou no colo um bebê - a pequena Geovana Pessin Carvalho, de sete meses. Depois, continuou por alguns minutos a trocar palavras com as pessoas que se aproximavam e se acotovelavam para vê-lo. "Oi, meu amor? Tudo bem? Você foi madrinha de quem?" , perguntou a uma das mulheres em meio a um pequeno tumulto. Uma mulher o chamou: "Lula, vamos tirar fotos." Outro homem pediu: "Lula, minha filha quer apertar a sua mão" Soldados se deram os braços para fazer um cordão de isolamento em torno do presidente.Foi a primeira vez, desde 1995, que um presidente da República participou da solenidade. Lula chegou às 10h45 e foi recebido com as honras do cargo, inclusive escolta de cavalaria e salva de 21 tiros de canhão. Estava com o ministro da Defesa, Waldir Pires, e o comandante do Exército, general Francisco Albuquerque, e foi recebido pelo comandante da Aman, general Marco Farias. Na solenidade, Lula entregou o espadim ao cadete com melhor classificação na turma, Lucas Fernando Pianowski Bernardes. Em contraste com a informalidade do seu contato com os assistentes, Lula leu um discurso protocolar. "Este espadim que vocês acabam de receber é símbolo da honra militar", disse ele, dirigindo-se aos cadetes. "Não carrega consigo os traços de prepotência, de arrogância, de revanchismo." Em alusão ao fato de a turma de novos cadetes chamar-se Heróis da Força Expedicionária Brasileira, o presidente lembrou a FEB e sua atuação na Itália, durante a Segunda Guerra Mundial. "Eles (os pracinhas) não permitiram, como estou certo que nem vocês , nem ninguém aqui permitirá, que ocorra em nosso solo amado aquilo contra o que lutaram os nossos expedicionários. Estou falando do autoritarismo, do racismo, da intolerância, da discriminação, do anti-semitismo e da perseguição por credos políticos e religiosos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.