Lula se reúne com familiares dos jovens mortos da Providência

Secretário de Direitos Humanos, Paulo Vannucchi, e governador do Rio, Sérgio Cabral, também estão na reunião

Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

23 de junho de 2008 | 16h45

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva está reunido há mais de meia hora com familiares dos três jovens do Morro da Providência que foram mortos no Morro da Mineira, semana passada, após terem sido entregues a traficantes rivais por um tenente do Exército. O encontro está ocorrendo no Palácio da Guanabara, no Rio. Participam, além de Lula, o secretário de Direitos Humanos, Paulo Vannucchi, e o governador do Rio, Sérgio Cabral. O ministro da Defesa, Nelson Jobim, cancelou a visita ao Rio e permanece em Brasília nesta segunda-feira, 23.   Nesta manhã, policiais do 5º Batalhão da Polícia Militar (Praça da Harmonia) começaram a atuar no morro, com objetivo de aumentar o patrulhamento da área e propiciar maior segurança aos moradores, segundo a assessoria de imprensa da PM. Não foi informado, por motivos de segurança, a quantidade de policiais que foram para o local. Já o Exército, cumprindo medida judicial, diminuiu o número de soldados na comunidade de 200 para 60.   O Comando Militar do Leste (CML) informou nesta segunda que estuda a possibilidade de fazer a reconstituição do episódio que terminou com o assassinato de Wellington Gonzaga Costa, de 19 anos, Marcos Paulo da Silva Correia, de 17, e David Wilson Florêncio da Silva, de 24, no último dia 14. O procedimento é praxe em Inquéritos Policiais Militares (IPMs), mas, devido à repercussão do caso, o Exército quer avaliar os prós e os contras para só depois definir uma data.   A maior preocupação é com a integridade física dos 11 militares indiciados na semana passada pela morte dos rapazes e do efetivo que teria de ser deslocado para dar segurança aos responsáveis pela investigação.    Ocupação   Pelo segundo dia consecutivo desde a decisão do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (Rio e Espírito Santo) de limitar a atuação do Exército na Providência, militares continuaram espalhados por diferentes pontos da favela no domingo, 22. Além do trecho de 100 metros da Rua Barão da Gamboa onde ocorrem as obras do Projeto Cimento Social, o Estado avistou homens nas imediações do conjunto habitacional da Vila Portuária, vizinho à favela, e na capela do Cruzeiro.   O Exército divulgou nota afirmando que, "diante de interpretações equivocadas", vem cumprindo integralmente a decisão do TRF do Rio, que restringiu a manutenção das tropas no Morro da Providência aos trechos onde se realizam as obras do projeto Cimento Social. Em nota, o CML diz que a permanência das tropas na favela fica "restrita à região do canteiro de obras e às áreas absolutamente necessárias à execução das atividades administrativas e ao estabelecimento da segurança do pessoal, material e equipamentos utilizados nas obras, bem como na sua fiscalização".   Ampliado às 17h30

Tudo o que sabemos sobre:
Morro da ProvidênciaExércitoLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.