Lula sobe de 47,9% para 51,4%; Alckmin tem 19,6%

A pesquisa CNT/Sensus divulgada nesta terça-feira prevê vitória de Luiz Inácio Lula da Silva já no primeiro turno. A pesquisa estimulada aponta um crescimento das intenções de voto em Lula de 47,9% na pesquisa realizada no início de agosto, entre os dias 1 e 4, para 51,4% na sondagem realizada entre os dias 22 e 25 de agosto. O candidato do PSDB, Geraldo Alckmin permaneceu estável entre as duas sondagens. No início de agosto, as intenções de voto no candidato tucano somavam 19,7% do total e, agora, somam 19,6%. A margem de erro é de 3 pontos porcentuais.A candidata Heloísa Helena também permaneceu estável. Na pesquisa realizada pelo mesmo instituto no início de agosto, ela obteve 9,3% das intenções de voto, e, na atual pesquisa, 8,6%. Os eleitores indecisos, os que dizem que votarão em branco ou nulo diminuíram. No início de agosto, esse grupo representava 20,9% e, agora, 17,7%. De acordo com o diretor do Instituto Sensus, Ricardo Guedes, essa queda demonstra que a campanha já está em processo de definição. Segundo turnoNas simulações feitas pela pesquisa CNT Sensus, o candidato Lula venceria as eleições com 56,7% das preferências em caso de segundo turno contra o candidato tucano Geraldo Alckmin, que obteria 30,8%. Esse resultado mostra uma melhora na performance do candidato Lula, que na pesquisa do mesmo instituto realizada entre os dias 1º e 4 de agosto, teria 52,5% dos votos e Alckmin 29,8%.Quando o instituto simula o segundo turno entre Lula e a candidata do PSOL, Heloísa Helena, os números são ainda mais vantajosos para Lula, que venceria a disputa com 61,5%, contra 24,5% da opositora. Na pesquisa realizada no início de agosto, Lula estava com 56,9% contra 22,7% de Heloisa Helena.Em uma terceira simulação feita pelo instituto, contra o candidato do PDT, Cristovam Buarque, Lula também seria vencedor com margem ainda maior votos. Nesse caso, Lula ficaria com 67,1% e Buarque ficaria com 14,3%. No início de agosto, na mesma pergunta feita aos eleitores pelo instituto Lula obteve 61,5% e Buarque, 12,8%. RejeiçãoA pesquisa também aponta o menor nível de rejeição do candidato Luiz Inácio Lula da Silva desde o período pré-eleitoral de 2005 até agora. Na pesquisa, 25,5% dos entrevistados afirmam que não votariam em Lula; em relação ao candidato Alckmin, este total é de 42,0%; para Heloísa Helena, a rejeição é de 50,1%. Na pesquisa anterior do mesmo instituto, realizada no início de agosto entre os dias 1º e 4, Lula tinha um índice de rejeição de 27%, Alckmin de 37,6% e Heloísa Helena, de 41,7%.O diretor do instituto Sensus, Ricardo Guedes, afirmou que a experiência verifica que quem tem 40% ou mais de rejeição está fora do jogo político - o que no momento acontece com Alckmin e Heloísa Helena. Quem tem até 30% de rejeição está dentro da disputa. Guedes afirmou que, para se chegar a esta conclusão, toma-se o total dos eleitores, considera-se uma margem de 20% de votos brancos e nulos e os 80% restantes são divididos por dois. Portanto, 40% de rejeição para um candidato significa que este sai da disputa, disse Guedes. Melhor programaA pesquisa CNT/Sensus mostra que apenas 44,7% dos entrevistados assistiram a todos ou a parte dos programas eleitorais divulgados no rádio e na televisão desde 15 de agosto. Na pesquisa, foram ouvidas 2.000 pessoas entre 22 e 25 de agosto em 195 municípios de 24 Estados.Dentre os que assistiram aos programas, 38,3% avaliaram o programa eleitoral do presidente-candidato à reeleição pelo PT/PRB/PCdoB Luiz Inácio Lula da Silva como sendo o melhor, enquanto 30,8% apontaram o de Alckmin como o melhor. O da candidata do PSOL Heloísa Helena foi apontado como melhor por 13,2% dos que assistiram a ele, enquanto a avaliação do programa de Cristovam Buarque (PDT) obteve 1,7% de avaliação como melhor.Esta é a primeira pesquisa CNT/Sensus realizada após o início da veiculação dos programas no horário eleitoral gratuito. Na avaliação do diretor do Sensus, Ricardo Guedes, embora o programa de Alckmin esteja bem avaliado, não tem impactado nas intenções de votos do candidato. "O programa do Alckmin está bem avaliado, mas não funciona", afirmou ele.Expectativa dos eleitoresA pesquisa da Confederação Nacional do Transporte mostra que subiu de 59,3%, na última pesquisa, feita no início de agosto, para 69,2% no fim o mês o número de pessoas que acreditam que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, candidato à reeleição pela coligação PT/PRB/PCdoB, vai ganhar as eleições. Desse total, 47,3% acreditam que o presidente vai vencer já no primeiro turno. O número dos entrevistados que acreditam que o candidato tucano Geraldo Alckmin vencerá as eleições caiu de 12,3% para 9,3%, e o dos que acreditam na vitória da candidata do PSOL, senadora Heloísa Helena (AL), caiu de 3% para 2,7%. Por seu turno, o número dos que não sabem ou não responderam caiu de 24,5% para 17,1%. A pesquisa revela, por outro lado, que 42,5% dos entrevistados acreditam na realização de um segundo turno das eleições, enquanto 10,2% não souberam ou não quiseram responder.O diretor do Instituto Sensus, Ricardo Guedes, disse que, embora esteja muito próximo o porcentual daqueles que acreditam no fim das eleições no primeiro turno e dos que apostam no segundo turno, esta é uma eleição praticamente definida. Segundo ele, a pesquisa mostra a consolidação da candidatura do presidente Lula e a expectativa de que ele poderá crescer ainda mais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.