Evelson de Freitas/AE
Evelson de Freitas/AE

Lula ''tratora'' PT e tenta tirar Marta de disputa

Ex-presidente trabalha para que senadora desista de candidatura em prol de Haddad

Julia Duailibi, O Estado de S.Paulo

23 de agosto de 2011 | 00h00

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deflagrou ontem a operação para emplacar o ministro Fernando Haddad (Educação) candidato a prefeito de São Paulo sem a necessidade da realização de prévias eleitorais no PT. Em termos práticos, a manobra significa principalmente retirar a senadora Marta Suplicy da disputa.

Lula recebeu ontem, separadamente, quatro pré-candidatos petistas - o senador Eduardo Suplicy não foi chamado. A eles defendeu o que fala nos bastidores: o PT precisa de "discurso novo" e de "proposta inovadora" se quiser vencer no maior colégio eleitoral do País. Foi a senha de que não quer Marta candidata.

A senadora foi a última a conversar com Lula. O ex-presidente não pediu a ela que retirasse seu nome da disputa. Mas tangenciou o assunto ao dizer, sem meias palavras, que achava melhor um "nome novo". Ao deixar o encontro, Marta chegou a admitir que "a ideia de uma cara nova pode até ser boa". Afirmou, no entanto, que pretende levar adiante a sua pré-candidatura.

"Eu falei que achava importante ouvir a opinião dele, mas que achava que era a pessoa com mais condição de disputa. Ele também não discordou. Ele tem uma teoria toda dele. Mas foi extremamente respeitoso", disse Marta ao deixar o encontro com Lula no Instituto Cidadania.

A senadora reuniu-se na quinta-feira passada com a presidente Dilma Rousseff. De acordo com relato de petistas, a presidente teria sido direta. Disse a Marta que precisa dela no Senado para colaborar com o governo, principalmente no momento de fragilidade da base. Também não teria dado espaço para negociar um prêmio de consolação, como um ministério.

Ontem Lula reeditou a tese do Senado. Disse a Marta que era uma posição muito importante e lembrou que perdeu candidatos a governador na eleição de 2010 para eleger senadores da base.

Apesar das negativas da senadora, há na cúpula petista a expectativa de que Marta desista da disputa. A avaliação é que a ex-prefeita não levará adiante um projeto à revelia de Lula e Dilma. No final de semana, ela sequer participou das reuniões internas do PT municipal em bairros da capital para discutir pauta das eleições. Ontem, disse ter sido feito um "escarcéu" ao relacionar a ausência nas reuniões à retirada da pré-candidatura.

Sintonia. Antes de receber Marta, Lula conversou com Haddad e com os deputados Carlos Zarattini e Jilmar Tatto. O ministro deixou o encontro afirmando não trabalhar com a hipótese de desistência de Marta "neste momento". "Estamos sintonizados", completou.

Com os deputados, Lula não condenou as prévias, mas as classificou como um mecanismo perigoso. Citou como exemplo a eleição para o governo do Rio Grande do Sul em 2002, quando Tarso Genro e Olívio Dutra concorreram pela indicação. O PT rachou e foi derrotado.

Nas conversas com os quatro pré-candidatos, falou da construção de um leque amplo de alianças, a exemplo do que dá sustentação ao governo.

Lula avalia que o candidato do PSDB em 2012 não será José Serra. Como o tucano mira o Planalto em 2014, disse ele, não se aventuraria por um cargo que teria de renunciar novamente, como fez em 2006 e em 2010. Marta discordou da avaliação.

PRÉ-CANDIDATOS DO PT

Fernando Haddad

Ministro da Educação

Favorito de Lula para a disputa. Nas últimas semanas, apareceu ao lado do ex-presidente e de Dilma. É a aposta do PT para seduzir setores da classe média.

Marta Suplicy

Senadora, ex-prefeita de SP

É a que tem mais visibilidade. Comandou o Turismo. Seu ex-chefe de gabinete Mário Moysés foi preso na Operação Voucher. Quer disputar prévia, mas pode desistir.

Carlos Zarattini

Deputado Federal

Nome pouco conhecido, o deputado tem usado a seu favor o argumento de que é preciso apostar na "renovação".

Jilmar Tatto

Deputado Federal

Tem o eleitorado concentrado na Zona Sul, onde fica a chamada "Tattolândia". Foi secretário de Marta.

Eduardo Suplicy

Senador

Não foi chamado por Lula, mas quer disputar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.