Evelson de Freitas/AE
Evelson de Freitas/AE

Lula ''tratora'' PT e tenta tirar Marta de disputa

Ex-presidente trabalha para que senadora desista de candidatura em prol de Haddad

Julia Duailibi, O Estado de S.Paulo

23 Agosto 2011 | 00h00

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deflagrou ontem a operação para emplacar o ministro Fernando Haddad (Educação) candidato a prefeito de São Paulo sem a necessidade da realização de prévias eleitorais no PT. Em termos práticos, a manobra significa principalmente retirar a senadora Marta Suplicy da disputa.

Lula recebeu ontem, separadamente, quatro pré-candidatos petistas - o senador Eduardo Suplicy não foi chamado. A eles defendeu o que fala nos bastidores: o PT precisa de "discurso novo" e de "proposta inovadora" se quiser vencer no maior colégio eleitoral do País. Foi a senha de que não quer Marta candidata.

A senadora foi a última a conversar com Lula. O ex-presidente não pediu a ela que retirasse seu nome da disputa. Mas tangenciou o assunto ao dizer, sem meias palavras, que achava melhor um "nome novo". Ao deixar o encontro, Marta chegou a admitir que "a ideia de uma cara nova pode até ser boa". Afirmou, no entanto, que pretende levar adiante a sua pré-candidatura.

"Eu falei que achava importante ouvir a opinião dele, mas que achava que era a pessoa com mais condição de disputa. Ele também não discordou. Ele tem uma teoria toda dele. Mas foi extremamente respeitoso", disse Marta ao deixar o encontro com Lula no Instituto Cidadania.

A senadora reuniu-se na quinta-feira passada com a presidente Dilma Rousseff. De acordo com relato de petistas, a presidente teria sido direta. Disse a Marta que precisa dela no Senado para colaborar com o governo, principalmente no momento de fragilidade da base. Também não teria dado espaço para negociar um prêmio de consolação, como um ministério.

Ontem Lula reeditou a tese do Senado. Disse a Marta que era uma posição muito importante e lembrou que perdeu candidatos a governador na eleição de 2010 para eleger senadores da base.

Apesar das negativas da senadora, há na cúpula petista a expectativa de que Marta desista da disputa. A avaliação é que a ex-prefeita não levará adiante um projeto à revelia de Lula e Dilma. No final de semana, ela sequer participou das reuniões internas do PT municipal em bairros da capital para discutir pauta das eleições. Ontem, disse ter sido feito um "escarcéu" ao relacionar a ausência nas reuniões à retirada da pré-candidatura.

Sintonia. Antes de receber Marta, Lula conversou com Haddad e com os deputados Carlos Zarattini e Jilmar Tatto. O ministro deixou o encontro afirmando não trabalhar com a hipótese de desistência de Marta "neste momento". "Estamos sintonizados", completou.

Com os deputados, Lula não condenou as prévias, mas as classificou como um mecanismo perigoso. Citou como exemplo a eleição para o governo do Rio Grande do Sul em 2002, quando Tarso Genro e Olívio Dutra concorreram pela indicação. O PT rachou e foi derrotado.

Nas conversas com os quatro pré-candidatos, falou da construção de um leque amplo de alianças, a exemplo do que dá sustentação ao governo.

Lula avalia que o candidato do PSDB em 2012 não será José Serra. Como o tucano mira o Planalto em 2014, disse ele, não se aventuraria por um cargo que teria de renunciar novamente, como fez em 2006 e em 2010. Marta discordou da avaliação.

PRÉ-CANDIDATOS DO PT

Fernando Haddad

Ministro da Educação

Favorito de Lula para a disputa. Nas últimas semanas, apareceu ao lado do ex-presidente e de Dilma. É a aposta do PT para seduzir setores da classe média.

Marta Suplicy

Senadora, ex-prefeita de SP

É a que tem mais visibilidade. Comandou o Turismo. Seu ex-chefe de gabinete Mário Moysés foi preso na Operação Voucher. Quer disputar prévia, mas pode desistir.

Carlos Zarattini

Deputado Federal

Nome pouco conhecido, o deputado tem usado a seu favor o argumento de que é preciso apostar na "renovação".

Jilmar Tatto

Deputado Federal

Tem o eleitorado concentrado na Zona Sul, onde fica a chamada "Tattolândia". Foi secretário de Marta.

Eduardo Suplicy

Senador

Não foi chamado por Lula, mas quer disputar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.