Daniel Iglesias/O Tempo-28/1/2011
Daniel Iglesias/O Tempo-28/1/2011

Lula vira 'ministro de assuntos eleitorais'

Com aval de Dilma, ex-presidente articula alianças com as 17 siglas da base para 2012

João Domingos / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

18 Setembro 2011 | 00h00

No comando de uma base com 17 partidos e problemas de sobra, a presidente Dilma Rousseff decidiu ficar longe das querelas da montagem das chapas que vão disputar as prefeituras nas eleições do ano que vem. A articulação partidária ficará a cargo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que será uma espécie de "ministro extraordinário para assuntos eleitorais".

O cargo, claro, é fictício. Mas no Palácio do Planalto Lula é tratado assim. Quando alguém fala em articulação partidária e política, a presidente costuma lembrar que a função é de seu antecessor. Desse modo, o ex-presidente acaba sendo visto como "40.º ministro" de Dilma.

Hoje, são 38 ministérios. O das Pequenas e Médias Empresas está sendo criado pelo Congresso. Será o de número 39.

Apesar da agenda interna e das articulações políticas, Lula não desarma a agenda internacional. Na próxima sexta-feira, dia 23, ele vai para Washington. Em seguida, para Paris e Gdansk (Polônia), onde em 1980 nasceu o Solidariedade, o único sindicato independente do antigo Leste Europeu. Termina seu périplo internacional em Londres. No início de outubro, volta ao País.

No Brasil, de acordo com informações da assessoria de Lula, ele já esteve reunido com líderes do PT de Belo Horizonte, Salvador, Rio, Goiânia e Recife. A todos, pediu que busquem manter coligações com os partidos da base aliada, evitem disputas internas e procurem candidatos que representem renovação.

"O que mais gosta". Daqui até a definição dos candidatos, em junho do ano que vem, Lula deverá percorrer 26 Estados - a 27.ª unidade, o Distrito Federal, não tem eleição municipal - para montar chapas que fiquem dentro do perfil da base de apoio de Dilma. Por enquanto, ele tem a intenção de conversar muito - só terá uma atuação mais próxima da intervenção quando não for possível resolver os problemas pelas vias amigáveis.

São duas as razões para que Lula se transforme no articulador das eleições municipais e para que Dilma se recolha, afirmam dirigentes do PT e assessores da presidente da República. Primeiro, Lula é um político que tem à sua disposição as 24 horas do dia. E que gosta, e muito, de fazer política. Segundo, Dilma não tem o mesmo traquejo do antecessor para resolver os impasses políticos. Portanto, é natural que ela cuide da administração do País e Lula saia por aí a fazer acordos eleitorais.

Leva-se em conta ainda no Palácio do Planalto que a presidente tem trabalho demais pela frente, como a conclusão das obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do Minha Casa, Minha Vida, dos estádios de futebol e dos aeroportos para a Copa de 2014 e das obras da Olimpíada de 2016. Tem ainda de administrar uma base aliada gigante, ideológica e fisiologicamente diversificada, além de enfrentar as consequências da crise econômica internacional.

"Lula está livre para fazer tudo o que mais gosta, que é política e articulação", lembra o deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), ex-presidente da Câmara. "E ele terá trabalho, porque, onde for possível, quer fazer com que os partidos da base saiam o mais unidos possível."

Por enquanto, Lula está procurando resolver os problemas internos do PT. Ao mesmo tempo, trabalha para repetir, nas eleições municipais, o que fez na presidencial, quando apadrinhou Dilma, que nunca havia disputado uma eleição, e a transformou em sua sucessora. Sob o argumento de que "é preciso renovar", Lula trabalha para fazer do ministro Fernando Haddad (Educação) o candidato a prefeito de São Paulo.

Desafios. A pouco mais de um ano das eleições, Lula não pode se queixar de que não tem o que fazer em seu partido. Em São Paulo, enfrenta a resistência do grupo da ex-prefeita Marta Suplicy, que não aceita a imposição de Haddad. Em Recife, o senador Humberto Costa e o ex-prefeito João Paulo fazem carga para tirar da disputa o atual prefeito, João da Costa.

O impasse chegou a tal ponto que João Paulo ameaçou deixar o PT em busca de um partido que lhe dê a legenda para concorrer à prefeitura.

Lula correu até ele e pediu que não saia, porque o problema, segundo o ex-presidente, será resolvido. No fim, avisou ao ex-prefeito, que insistia em uma solução rápida: "Se deixar o partido, eu não o apoiarei". João Paulo recuou. Sabe que, sem a ajuda de Lula, não tem como vencer.

Há disputas fortes dentro do PT também em Fortaleza. Mas Lula, por enquanto, aguarda o desenrolar da crise. Só entrará em campo se a direção do partido não conseguir uma solução. Na quinta-feira, o presidente do PT, Rui Falcão, convocou a São Paulo os principais dirigentes do partido no Ceará. Entre eles, Luizianne Lins, prefeita de Fortaleza, e o deputado José Guimarães. Por enquanto, cinco nomes querem disputar a prefeitura. O governador Cid Gomes (PSB) apoiará o candidato petista, desde que tenha condições de vitória.

PROBLEMAS

São Paulo

Lula trabalha por Fernando Haddad, mas sofre forte resistência do grupo de Marta Suplicy.

Fortaleza

Há forte disputa entre grupos da prefeita Luizianne Lins e do deputado José Nobre Guimarães.

Recife

Grupo de Humberto Costa e João Paulo quer impedir que João da Costa se candidate à reeleição.

Porto Alegre

Tarso Genro quer Manuela D''Ávila (PC do B), mas ala apoia reeleição de Fortunatti (PDT).

Curitiba

Lula tende a apoiar o ex-deputado Gustavo Fruet (PSD), mas ala do deputado Dr. Rosinha resiste.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.