''Lulinha paz e amor'' já era

Atribui-se ao publicitário Duda Mendonça recente comentário em que estabelece o último 7 de setembro como marco do fim da era "Lulinha, Paz e Amor", com o qual ajudou a eleger o sindicalista Lula presidente da República. Foi nesse dia que Lula rebateu na TV as denúncias que vinculavam Dilma Rousseff à quebra de sigilos fiscais de tucanos e familiares.

JOÃO BOSCO RABELLO, O Estado de S.Paulo

19 de setembro de 2010 | 00h00

Verdadeira ou não a autoria, a sentença é oportuna. A agressividade de Lula na defesa de Dilma, que antecede em muito o suposto comentário do publicitário, devolve à cena política o metalúrgico do discurso incendiário, inimigo das elites e um enfurecido defensor das massas.

Nesse contexto, os discursos de Lula e José Dirceu concordam naquilo que o dirigente petista chamou de "excesso de liberdade de imprensa", diz um ministro com trânsito no Planalto, para quem tal radicalização estimula uma campanha contra a mídia, repercutida pela rede de blogs a serviço do PT.

Monitor cardíaco

Depois do escândalo que derrubou Erenice Guerra, a aliança PT/PMDB utilizou os trackings, que medem por telefone a oscilação diária dos candidatos, como um monitor cardíaco. "Parece medição de pressão arterial", diz uma fonte do PMDB. Dilma teve três dias consecutivos de queda no tracking Vox Populi/Band/iG logo após as denúncias.

Telhado de vidro

Cotado para continuar no cargo se Dilma for eleita, o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), quer presidir o Senado. Mas o fogo amigo lembra que ele tem telhado de vidro: só aguentou 122 dias como ministro da Previdência, fulminado por denúncias de corrupção. Conflito de interesses

É provável que o próximo

Congresso questione a liberdade dos institutos de pesquisa - decisivos para os financiamentos - de prestar serviço à população e aos candidatos ao mesmo tempo. "Ou um ou outro", diz o ministro do STF, Gilmar Mendes, em apoio à causa.

Fala indigesta

A promessa de José Dirceu, de mais poder ao PT num eventual governo Dilma, ainda revolta o PMDB.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.