Luma volta à folia embrulhada para presente

Com um enorme laço nas costas, musa arranca elogios da arquibancada

Márcia Vieira, O Estadao de S.Paulo

25 Fevereiro 2009 | 00h00

Um corpete rosa escondia a barriga. Um grande laço azul com dez mil cristais Swarovski dava um toque diferente. Luma de Oliveira, de 44 anos, musa do Sambódromo desde a primeira aparição em 1987, estava mais comportada do que nunca em seus 16 anos de desfile. Após três anos de ausência, porém, voltou linda. Por que tanta roupa? "Tem hora pra tudo. Hora pra vir de topless, hora pra vir de barriga de fora. Hoje quis vir assim", justificou, ainda na concentração, cercada de fotógrafos e acompanhada pelo filho mais velho, Thor, de 17 anos. No enredo da Portela que exaltava o amor, Luma declarou o seu pelos filhos Thor e Olin, colocando o nome deles numa gargantilha. A ideia foi de Thor, que não desgrudava da mãe. "Quando disse que queria vir, minha mãe ficou tão feliz que abriu um sorriso do tamanho da Sapucaí", disse. Thor e Olin são filhos do casamento já desfeito com o bilionário Eike Batista. Na passagem pela arquibancada do setor 1, uma espécie de termômetro do Sambódromo - a intensidade dos aplausos indica se a escola está bem ou não -, Luma foi ovacionada. Na pista, homens extasiados gritavam elogios: "Gostosa, maravilhosa", berrava um. "Linda. Veio embrulhada para presente", exagerava outro. As mulheres, mais críticas, procuravam sinais de celulite nas pernas. Luma não economizou na sua volta. "Ela queria vir maravilhosa", entrega o estilista Saulo Henriques, de 43 anos, que desenhou e produziu a roupa da rainha. Mandou até importar um lote de cristais Swarovski da Áustria. Os cristais não estão à venda no Brasil nem nas cores nem no tamanho que ela queria. Aliás, rainha de bateria sem cristais Swarovski, produzidos na cidade austríaca de Wattlews desde 1895, não é digna do título. A roupa de Luma tinha 80 mil peças do material, coladas uma a uma por Saulo e sua equipe. A fantasia custou em torno de R$ 45 mil. "A Portela se ofereceu para pagar, mas Luma fez questão de arcar com todo o custo. Assim ela pode fazer tudo como gosta." A preparação para o desfile começou em novembro, com dieta e exercícios físicos. Luma perdeu quatro quilos e chegou aos 64 quilos para seu 1,74 metro de altura. Também diminuiu dois centímetros nos quadris, que, diz ela, agora medem 102 centímetros. Por superstição, não foi a nenhum ensaio técnico na Sapucaí. Ao contrário da maioria das rainhas, que se vestem em algum camarote do Sambódromo, Luma se arrumou em casa, no Jardim Botânico. "Ela tem essa superstição. Entra por onde os componentes entram com apenas um segurança particular", conta Saulo. ?CADÊ O THOR?? Mas, depois que chega à frente da bateria, a história é outra. Dez seguranças truculentos vestidos com a camisa da Portela cercaram a musa por todo o desfile. Estavam tão determinados a protegê-la que não deixaram nem que ela sambasse em frente à arquibancada popular na Praça da Apoteose, já na dispersão da escola. Nessa hora, a musa perdeu a paciência e impôs sua autoridade. Quando percebeu que o filho não estava ao lado dela, começou a gritar "Cadê o Thor?" Irritada, empurrou um dos seguranças e voltou para resgatar o filho no meio da confusão. Thor já estava protegido pelo ex-namorado de Luma, o delegado e vereador Fernando Moraes. A confusão continuou na caminhada pelas ruas atrás do Sambódromo até chegar ao seu BMW blindado com o motorista a postos no volante. "Foi um desfile arrasador. Mas lamento muito não ter podido desfilar para a arquibancada da Apoteose. Entendo que seja uma questão da escola querer me tirar logo dali para não atrapalhar a dispersão, mas mesmo assim lamento." Na caminhada de pouco mais de cem metros entre o Sambódromo e o carro, Luma foi ovacionada pelo povão que lotava as barracas de cerveja e churrasquinho espalhadas pela rua. "Gostosa, maravilhosa. Luma, tu é minha rainha" e outros elogios, alguns impublicáveis, animaram a musa da Portela. "Gente, eu tô adorando esse lugar. Quando eu estiver triste, vou dar uma voltinha por aqui."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.