Luxo e ostentação marcam evento com patrocínio da TAM

Em São Carlos, festa era para donos de automóveis de luxo; antes do almoço, havia massagistas à disposição

José Maria Tomazela, do Estadão,

05 de agosto de 2007 | 22h08

Ao mesmo tempo em que negociava os valores da indenização com parentes das vítimas do acidente com o Airbus A320, o mais grave acidente aéreo do País, ocorrido no dia 17 de julho no Aeroporto de Congonhas, a TAM patrocinava no último sábado, 4, uma festa para donos de automóveis de luxo em São Carlos, a 235 quilômetros de São Paulo.   O evento Fly&Drive Experience, regado a champanhe e vinhos importados, reuniu cerca de 200 convidados no Centro Tecnológico de Manutenção Preventiva da empresa. Antes do almoço, os convidados tinham massagistas à disposição. O local estava isolado do restante do museu, aberto à visitação.   No local, é realizado o check-up das aeronaves da TAM, entre elas os modelos da linha Airbus. Ali funciona também o Museu Asas de um Sonho, que tem a companhia como principal mantenedora. O espaço social do museu foi reservado para a recepção aos convidados. Eles chegaram a bordo de possantes Porsches, BMW e Ferraris de vários modelos, que podem custar mais de R$ 1 milhão. A imprensa - incluindo quem estava credenciado - não teve acesso.   Os "carrões" foram flagrados em excesso de velocidade pelas câmeras das concessionárias Autoban e Centrovias quando se dirigiam para a festa. Alguns veículos estavam a 200 quilômetros por hora na rodovia Washington Luís, onde a velocidade máxima é de 110, e na Bandeirantes, onde se permite até 120 quilômetros por hora.   Uma equipe de televisão de Ribeirão Preto também registrou o abuso que ocorreu inclusive no retorno da festa, onde foram servidas bebidas alcoólicas. Os carros não reduziram nem mesmo quando passaram pelas bases da Polícia Rodoviária Estadual. Além de radares fixos, havia equipamentos móveis em operação no trecho.   Houve quem estranhasse o clima festivo no evento da TAM. "Já pensou se os parentes das vítimas vêem isso?", questionou um visitante que se identificou apenas como engenheiro Alberto. Ninguém da TAM quis falar com a imprensa. Representantes da agência contratada para o evento disseram que a companhia cedera o espaço e era uma das patrocinadoras. A marca da TAM aparecia em primeiro lugar em todo o material promocional.

Tudo o que sabemos sobre:
TAMvôo 3054

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.