Maconha apreendida daria 9,9 milhões de cigarros

Somente com as duas apreensões de maconha feitas hoje no País seria possível confeccionar cigarros para 95% dos habitantes da cidade de São Paulo. Pelos cálculos da área técnica da Polícia Federal, dois gramas correspondem a um cigarro. As 18,6 toneladas apreendidas no Mato Grosso do Sul, mais a 1,2 tonelada do Rio de Janeiro dão para preparar 9,9 milhões de cigarros. São Paulo tem 10,4 milhões de habitantes, segundo o censo 2000.Para a Polícia Federal, no entanto, mais importante que a apreensão em grandes quantidades é o "cerco permanente" que se faz ao tráfico no País. Os resultados mais claros disso estão começando a dar vários sinais. O primeiro deles foi uma apreensão de 180 quilos de maconha de origem paraguaia em Natal (RN), no final do ano passado. Para a PF, isto significa que a produção nordestina não abastece mais o mercado local.Outro sinal importante é o preço da maconha no "atacado". Há cinco anos, um quilo da droga podia ser comprado junto aos pequenos agricultores nordestinos por até R$ 5,00. Hoje, o atacado nordestino vende o quilo por até R$ 300,00. Nos grandes centros urbanos, um quilo vale até R$ 3 mil. O aumento do preço da maconha, no entanto, encarece o preços para os viciados. Além disso, aumenta o risco de "mistura" com outros produtos, que inclui até estrume de cavalo. A maioria dos traficantes, principalmente do Rio de Janeiro, mistura mel à maconha, para dar mais peso e consistência.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.