Madrasta, suspeita da morte da enteada de 7 anos, é presa

A polícia de São Carlos, na região de Ribeirão Preto, está investigando as causas da morte da menina Sandra Kessler, de 7 anos, ontem, na piscina da Fazenda Paineiras. A menina afogou-se, mas a polícia suspeita que a madrasta, Robertina Machado, de 31 anos, esteja envolvida na morte, e pediu sua prisão temporária por cinco dias, concedida pela Justiça. Robertina foi detida ainda na tarde de ontem e está na Cadeia de Ribeirão Bonito. Denúncias de maus-tratos ao Conselho Tutelar, feitas pela direção da escola onde ela estudava, levaram a polícia a suspeitar da madrasta. O delegado Maurício Dotta, da Delegacia de Investigações Gerais (DIG), esteve durante toda a tarde de hoje investigando o caso, indo a fazenda, ouvindo funcionários e coletando mais informações. Ontem, pela manhã, na fazenda, onde trabalha o pai da menina, Valdir Kessler, Robertina teria chamado o gerente da propriedade para ajudá-la a retirar o corpo de Sandra da água. Ela foi levada ao Pronto-Socorro, mas não resistiu. Seu corpo foi trasladado hoje para Pinhalzinho (SC), onde deverá ser sepultado amanhã. Segundo a coordenadora do Conselho Tutelar, Cléria Marques, uma denúncia de maus-tratos foi feita na tarde de quarta-feira, quando uma professora, da Escola Municipal de Educação Básica Maria Ermantina Carpani, notou que Sandra tinha dois dentes quebrados, além de sinais de agressão pelo corpo. A menina foi levada ao Pronto-Socorro para atendimento médico. Inicialmente, ela disse que havia caído, porém, em seguida, confessou que havia apanhado. A direção da escola, então, comunicou o fato ao Conselho Tutelar, que recomendou que a madrasta e o pai fossem ouvidos. Cléria informou que a madrasta teria ignorado o chamado, mas que o pai deveria comparecer na unidade no dia seguinte.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.