Madrugada de caos para passageiros da TAM

Descaso, desconforto, cansaço, desinformação, nervosismo, indignação e impotência. Esse foi o cenário entre passageiros durante praticamente toda a noite de quarta-feira e madrugada de quinta-feira no Aeroporto de Congonhas, na zona Sul da capital paulista.Muitos vôos, a maioria da TAM, que deveriam ter saído na noite de ontem, foram cancelados, depois de muitas horas de espera, ou transferidos para a manhã de quinta-feira, pois o aeroporto fechou à 0h30.Dezenas de passageiros ficaram amontoados no saguão de embarque e o clima esquentou no meio desta madrugada. Até abaixo-assinado contra o aeroporto e a empresa aérea foi feito por um dos passageiros, Brasil Filho, que mora em Londrina (PR) e deveria ter embarcado às 20h30 de ontem para sua cidade, mas só irá fazê-lo, segundo previsão da TAM, às 8h55. "A indignação é geral por aqui. Estamos sem água, sem dormir, sem informação. Tem pessoas aqui de 75 anos, crianças de 8 anos", relatou o passageiro.Cerca de 80% dos vôos cancelados ou atrasados pertencem à empresa aérea TAM. Eram 4h30 desta madrugada quando se via uma mãe acompanhada de uma filha pequena, ambas sentadas no chão. Os cancelamentos e transferências também ocorreram para Brasília, Porto Alegre, Belo Horizonte e Rio de Janeiro.Já no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Cumbica, Guarulhos, às 4h30 a fila no balcão de check-in da TAM tinha mais de 200 pessoas e passava pelos balcões da Varig e da Gol, seguindo para outra extremidade, junto à escada rolante, no terminal de embarque doméstico. Segundo os funcionários da TAM, o problema nos atrasos nos vôos ocorrem por causa dos controladores de vôos, mas nenhuma informação adicional foi fornecida. A situação nos balcões da Gol e da Varig era normal."Isso aqui tá parecendo terminal rodoviário. Tem funcionário da TAM que passa pela fila, gritando os nomes das pessoas cujo vôo está prestes a sair e que não conseguiram fazer o check-in ainda", disse a dona de casa Ubiraci Ferreira, que estava acompanhada do topógrafo Ademir Santos. Ambos chegaram no aeroporto à 1h30 da madrugada para embarcar às 3h30, mas até às 5h não tinham previsão de decolar. Segundo informações oficiais das autoridades do tráfego aéreo, nesta quarta-feira, dos 1.202 vôos, 501 (41,7%) tiveram atrasos de no mínimo uma hora e 39 foram cancelados em todo o País, da zero às 17 horas. Os motivos alegados pela Anac são o excesso vôos nos principais aeroportos, com o fim de ano, e os problemas em Congonhas - na terça-feira, por causa do forte vento, houve manobras de pista que atrasaram os embarques e partidas.Em Congonhas, às 19h30, já eram 56 os vôos com atrasos. No Rio, no Aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim, havia filas enormes nos guichês e até cinco horas de atraso nos vôos - 52 dos 103 embarques tiveram atraso de mais de uma hora.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.