Madrugada de tiroteio no Rio. Um morto e 5 PMs feridos

Um cabo do Corpo de Bombeiros morreu e cinco polícias militares foram feridos em diferentes ações de bandidos ocorridas entre a noite de sexta-feira e a madrugada de hoje no Rio. Dois ônibus foram incendiados e um depredado por moradores de duas favelas onde a polícia fez incursões. Um posto da Polícia Mi itar foi metralhado, em Guadalupe, zona oeste.O cabo bombeiro Antônio Carlos Pereira dos Santos, de 45 anos, morreu depois de ser atingido por um tiro de fuzil, por volta das 20h30 de sexta-feira. Santos estava de folga e estaria fazendo a vigilância de uma empresa na rua Domingos Freire, no bairro Todos os Santos, na zona norte. A suspeita é de que tenha reagido a uma tentativa de assalto. Na mesma hora, quatro policiais militares do Batalhão de Operações Especiais (Bope) ficaram feridos em conflitos com traficantes da favela Vila dos Pinheiro, que integra o Complexo da Maré, na zona norte. No conflito da Maré, que se estendeu até o início da madrugada, o soldado Jaime Castor Maciel levou um tiro na cabeça e precisou ser operado. Um tenente e outros dois soldados sofreram ferimentos leves. Na manhã de ontem, o Bope voltou à favela.Às 19 horas de sexta-feira, revoltados com a morte de um homem em uma operação policial à tarde, moradores da favela Beira-Rio, em Anchieta, Baixada Fluminense, fecharam a Estrada do Rio do Pau e atearam fogo em um ônibus da empresa Pavunense. Pouco depois, na Avenida Brasil, altura de Cordovil, na zona norte, um ônibus foi incendiado e outro depredado por cerca de 30 moradores da favela do Pica-Pau, que interceptaram os coletivos com pedras e coquetéis molotov. Passageiros foram assaltados.O protesto foi contra outra ação da polícia, que resultou na morte de duas pessoas. Os policiais alegaram que eram traficantes.Também na Avenida Brasil, na altura de Guadalupe, o policial militar do Batalhão de Choque Eliseu Chaves de Brito foi baleado no braço esquerdo por quatro criminosos que passavam em um Vectra. Brito havia acabado de sair do posto policial da área, que foi metralhado pelos bandidos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.