Mãe confessa que inventou resgate de bebê por cadela

Maria Luzia colocou bebê em caixa e correu para pedir ajuda aos vizinhos dizendo que cadela o havia achado

Eduardo Kattah, Agência Estado

25 de julho de 2008 | 18h57

Em depoimento prestado nesta sexta-feira, 25, à Polícia Civil, em Santo Antônio do Monte (MG), Maria Luzia Campos, de 27 anos, disse que é a mãe biológica do recém-nascido que ela afirmara ter sido encontrado em um terreno baldio pela sua cadela de estimação. A vira-latas Xuxa ganhou notoriedade nacional por ter, na madrugada de quarta-feira, 23, supostamente encontrado e arrastado até a calçada o bebê do sexo masculino.   A história foi contada pela dona da cadela à Polícia Militar e reproduzida por vizinhos. Nesta sexta-feira, 25, porém, Maria Luzia disse que mentiu e escondeu a gravidez por ter receio de que a mãe e o padrasto não a aceitassem. Alegou também que se arrependeu quando constatou que o menino iria ser encaminhado para adoção.   Ao delegado Geraldo Magela, a mulher afirmou que teve o bebê sozinha, por volta de 2h30, em um barracão nos fundos de sua casa. Ela contou que envolveu o recém-nascido em uma manta e o colocou dentro de uma caixa de papelão. Maria Luzia disse que deixou a caixa com o bebê no lote vago e logo depois foi até a casa de um vizinho e pediu ajuda, afirmando que sua cadela havia encontrado um recém-nascido abandonado.   A ocorrência da PM foi registrada por volta de 3h30. O bebê estava sujo de sangue e ainda com o cordão umbilical. Maria Luzia foi encaminhada para exames na cidade de Formiga. O objetivo é constatar se ela se submeteu a um parto recente. Segundo a Polícia Civil, o recém-nascido - que no hospital passou a ser chamado de João Gabriel pelas enfermeiras -, permanece sob custódia do Conselho Tutelar de Santo Antônio do Monte. Caberá à Justiça definir a guarda da criança. Conforme o delegado, se a versão da mulher for confirmada, será caracterizado o crime de abandono de incapaz, conforme linha inicial de investigação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.