Mãe de garoto morto por bala perdida de policial pede justiça

Cerca de 100 pessoas acompanharam nesta sexta-feira o enterro do menino Rafael de Oliveira Pinto, de 10 anos, morto depois de ter sido baleado no olho quando assistia ao ataque de um cão pit bull a um cavalo, no Engenho Novo, na zona norte do Rio de Janeiro. Trinta crianças depositaram flores no túmulo de Rafael, enterrado no Cemitério do Caju. A mãe do garoto, Vanda de Oliveira, disse que a família não vai deixar que o crime fique impune.Ela está decidida a processar o Estado porque o soldado da Polícia Militar Christian César Ferreira viu o assassino com a arma em punho, mas não o prendeu.O drama da família de Rafael começou na tarde de terça-feira, quando um pit bull, que pode pertencer a traficantes, atacou um cavalo na Avenida Marechal Rondon, na zona norte. Moradores pararam para assistir à cena, quando um policial militar, ainda não identificado, fez disparos contra o cão. Rafael foi atingido no olho direito.O menino foi internado no Hospital Souza Aguiar, mas não pôde ser operado, porque o rosto estava muito inchado. Se sobrevivesse, Rafael corria o risco de ficar cego. O menino morreu ontem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.