Reprodução
Reprodução

Mãe de jogador assassinado grava vídeo pedindo punição de suspeitos

Eliane, mãe de Daniel Corrêa de Freitas, clamou pela manutenção da prisão dos envolvidos. Vítima foi atacada durante festa

Ana Paula Niederauer, O Estado de S.Paulo

23 Novembro 2018 | 23h24

SÃO PAULO - Eliane Corrêa, mãe do jogador Daniel Corrêa de Freitas, de 24 anos, assassinado em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, gravou um vídeo nesta sexta-feira, 23,  pedindo punição aos envolvidos na morte de Daniel. No vídeo, divulgado em redes sociais, Eliane pede à Justiça que os suspeitos de praticar o assassinato fiquem presos.

"Eu gostaria de pedir justiça, que essas pessoas que fizeram meu filho sofrer, torturaram e mataram ele, que não deixem que eles fiquem soltos, porque quem faz com um faz com outro", disse Eliane. Em outra parte do vídeo, a mãe do jogador questiona quem vai cuidar da filha do Daniel, que vai crescer sem o pai.

"Se a mãe que auxiliou nesta barbaridade, quer ser solta para cuidar da filha, quem é que vai cuidar da filha do meu filho? Vocês tiraram a vida dele. Ela é uma criancinha que vai crescer sem o pai. E o meu filho também, apesar da idade, eu cuidava dele. Como eu vou fazer para cuidar dele agora, se eles tiraram a vida dele. Então eu peço justiça!", disse Eliane.

Ao final do vídeo, Eliane agradeceu aos responsáveis pela investigação e pediu que a Justiça seja tão eficiente quanto a polícia que desvendou o crime. "Eu fico emocionada cada vez que eu falo, mas eu queria agradecer a todos que fizeram parte desta equipe e que nos ajudaram a desvendar esse crime horrível tão rápido e pedir que a Justiça seja tão rápida quanto foi o inquérito, afirmou Eliane.

Na quarta-feira, 21, as perícias realizadas pelo Instituto de Criminalística e pelo Instituto Médico Legal (IML) apontaram que o jogador Daniel Corrêa de Freitas morreu por causa de um profundo corte em seu pescoço e que foi arrastado por pelo menos 20 metros do porta-malas do carro onde foi jogado até a plantação de pinus, na Colônia Mergulhão, em São José dos Pinhais.

Foram indiciados pelos crimes o empresário Edison Brittes, sua mulher Cristiana, sua filha Allana, e os jovens Eduardo da Silva, Ygor King, David Willian da Silva e Eduardo Purkote. Todos estão presos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.