Mãe de menina morta por espancamento é liberada

Após prestar depoimento na Delegacia de Homicídios, a moradora de rua Letícia Coutinho Souza, de 26 anos, acusada de espancar até a morte sua filha de um ano e meio, foi liberada, por falta de provas. Ela culpa o companheiro, conhecido por ´Carioca´, com que vive há cerca de um ano, de ter agredido a bebê e sua outra filha, de cinco anos. Segundo Letícia, ela teria saído da casa, por volta das cinco horas de quarta-feira e, uma hora depois, deparou-se com as duas filhas agredidas. Porém, a mãe só deu entrada ao hospital na madrugada desta quinta. "Como não consegui ajuda de ninguém para chegar ao hospital, demorei para chegar. Nem o meu companheiro estava mais na casa para ajudar. Ele foi o culpado", conta Letícia, que nega a autoria do crime. A polícia ainda está atrás do companheiro de Letícia. Apesar de procurar o suposto autor dos crimes, o delegado Alcides Costa explica que o depoimento da moradora de rua foi muito confuso. "Ela disse que saiu da casa na tarde de quarta-feira para comprar cachaça. Quando voltou, encontrou as crianças naquele estado. Depois, disse que não conseguiu ajuda para levá-las ao hospital e aproveitou para incriminar o companheiro. Vamos tentar localizá-lo para compararmos as versões", diz o delegado. O laudo do Instituto Médico Legal sobre à recém-nascida revelou que ela teve traumatismo craniano. O documento atesta que a criança sofreu várias agressões na cabeça e no restante do corpo. Já a irmã de cinco anos, apesar das agressões e do choque, passa bem.

Agencia Estado,

02 Fevereiro 2006 | 21h21

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.